Especialidades

10 Dicas de ouro sobre Harmonização Facial

10 Dicas de ouro sobre Harmonização Facial
Compartilhar | Comentar

Dez dicas de ouro para profissionais com foco em Harmonização Facial

Escrevi esse texto de uma maneira bem direta, a fim de trazer orientações para aqueles que estão iniciando na área de Harmonização Facial. Uma vez que ela ainda não é uma disciplina de nossa graduação, acredito que muitas vezes há insegurança sobre o que fazer para atuar com responsabilidade nesta área tão apaixonante. Vamos lá?!

Dica 1 – Conhecer as características fundamentais dessa área

É normal surgirem algumas dúvidas na hora de definir em qual área da Odontologia se especializar. Os profissionais que escolhem trabalhar com harmonização facial devem ter em mente que são os únicos com conhecimento não só referente a face, mas também a saúde e estética do sorriso, elementos superimportantes para a harmonização completa da beleza e da face. Também é importante conhecer a definição da área de atuação, que de acordo com a Resolução 176, de 06 de setembro de 2016, é:

Art. 1º – Autorizar a utilização da toxina botulínica e dos preenchedores faciais pelo cirurgião-dentista, para fins terapêuticos funcionais e/ou estéticos, desde que não extrapole sua área anatômica de atuação.
§ 1º – A área anatômica de atuação clínico-cirúrgica do cirurgião-dentista é superiormente ao osso hioide, até o limite do ponto násio (ossos próprios de nariz) e anteriormente ao tragus, abrangendo estruturas anexas e afins.
§ 2º – Para os casos de procedimentos não cirúrgicos, de finalidade estética de harmonização facial em sua amplitude, inclui-se também o terço superior da face.

Dica 2 – Gostar de estudar e se manter sempre atualizado

Estudar, estudar muito. Até o presente momento não temos em nossa graduação uma disciplina de Harmonização Facial. Por isso, quem quiser atuar nessa área deve procurar cursos para conhecer e dominar as técnicas. Um único curso dificilmente irá habilitar alguém a atuar com toxina botulínica e preenchedores faciais com confiança. Por isso, estudar bastante e fazer vários cursos com diferentes professores é muito importante. Se possível, realizar cursos com prática em cadáver – para rever anatomia com foco nessa área específica.
Não se limitar somente aos cursos também é importante. Estudar através de livros, artigos e até as próprias bulas dos produtos. Se familiarizar com a área, se preparar para discutir e trocar ideias com outros profissionais e ter senso crítico. Entender as diferenças existentes entre os materiais, as diferentes técnicas e as indicações para cada caso é essencial.

Dica 3 – Investir em produtos de alta qualidade

Não utilizar materiais de baixa qualidade. Não vale a pena. Apesar do custo menor, é provável que as intercorrências ocorram com mais frequência. Materiais de renome tem grandes empresas por trás e muitos anos de mercado e pesquisa. Isso é essencial e traz confiabilidade aos tratamentos.

Dica 4 – Domine a análise facial

Ter bom conhecimento de análise facial é fundamental, só assim você conseguirá fazer um bom diagnóstico para cada paciente. Eles muitas vezes não tem noção das suas necessidades e prioridades. O bom profissional sabe identificar a prioridade com informações científicas e embasadas e não em opinião meramente pessoal.

Dica 5- Pratique muito e conheça as ferramentas

Saber utilizar agulha e a cânula, aperfeiçoar-se e definir quais técnicas quer colocar em prática para cada caso, para cada situação. Não há receita de bolo: quanto mais você praticar, mais conhecimento buscar, mais você irá dominar as técnicas.

Dica 6 – Conheça os produtos

Escolha 1 ou 2 marcas comerciais e conheça a fundo seus produtos, as características de cada uma de suas apresentações. Esse conhecimento possibilita a escolha do produto mais indicado para cada região. Utilizar cada dia algo diferente pode confundir e impossibilitar o conhecimento do comportamento de cada produto e marca.

Dica 7 – Saiba lidar com pessoas

Entender e saber lidar com questões psicológicas de cada paciente é fundamental. Muitas pessoas que nos procuram por questões estéticas muitas vezes possuem expectativas irreais, é nosso papel explicar o que pode ou não pode ser obtido com os tratamentos que oferecemos. Deixar isso claro é essencial para o bom relacionamento paciente x profissional.

Dica 8 – Faça uma boa anammnese

Não realizar procedimentos sem antes fazer uma boa anamnese, é através dela que descobriremos se há alguma contraindicações aos procedimentos.

Dica 9 – Documente os tratamentos

É importante tirar fotos antes e depois de realizar os procedimentos. Isso é válido para fazer um bom planejamento e para nos proteger de questões jurídicas que possam surgir. Não deixe para tirar fotos quando “der”, torne esse processo parte do protocolo.

Dica 10 – Esteja preparado para intercorrências

Saber resolver intercorrências. Elas vão acontecer com toda certeza e o bom profissional precisa conhecer e dominar a forma de contorná-las.
São várias as questões que devemos ter em mente, mas elas são indispensáveis para sermos profissionais aptos a fazer procedimentos de harmonização facial com qualidade e responsabilidade.

Espero que tenham gostado!

Dra Vanessa Mortari Thiesen – Especialista em Ortodontia, atua na área de Harmonização Facial. Possui Capacitação para uso de Preenchedores Faciais e Toxina Botulínica pelo MARC Institute de Miami e é membro da Sociedade Brasileira de Toxina e Implantes Faciais – SBTI
Instagram @dravanessathiesen

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.