Dentística e Estética

A era biológica da odontologia

A era biológica da odontologia
Compartilhar | Comentar

Nós profissionais da odontologia, passamos muito tempo focados em dentes. Tanto tempo que agora deu, não é mesmo? Na busca pelas superespecialidades, acabamos nos tornando altamente tecnicistas e isso nos leva a esquecer de fazer uma simples pergunta ao paciente: qual a sua queixa?

Quantos de nós, incluindo a mim mesma, por várias vezes, mais falamos do que ouvimos nossos pacientes? Só que agora o paciente tem voz, e muita. A maioria deles já leu, viu ou ouviu falar a respeito daquele tratamento que ele foi buscar nos consultórios. Às vezes, se ele for uma pessoa interessada e estudiosa, é ele quem passa a te ensinar. Isso porque hoje em dia, todos nós temos acesso à informação.

Sendo assim, é muito triste ouvir um colega da área da saúde condenando novos procedimentos que realizamos dentro da odontologia. Triste porque ele tem uma visão muito fechada e, além disso, porque ele se encontra extremamente desatualizado. Não estou falando que estas pessoas não estudam; o que quero dizer é que se ele ainda não percebeu as mudanças, se ele ainda é um “dentista”, ele vai continuar apenas cuidando de dentes.

Todo cirurgião-dentista deveria assim se denominar. Afinal, o que está escrito no seu diploma? Dentista? Quando você se apresenta como cirurgiã-dentista para qualquer um que te pergunta sua profissão, o que é que você escuta vindo até daqueles mais informados: você faz cirurgia de quê? Ãh?

Achar isso ruim não é ser chata (o);  é mostrar que nós passamos quatro ou cinco anos estudando cabeça e pescoço durante a graduação. Claro que também estudamos umas “pinceladas” no restante do sistema. Sendo assim, nós sabemos muito bem que quem controla o todo é o sistema no seu total. Então, porque a boca estaria fora do corpo?

Se tivéssemos uma visão mais holística, e acredito piamente que estamos evoluindo para isso, entenderíamos bem que o futuro é sim a modulação hormonal, o tratamento estético e funcional da face com toxina botulínica, preenchedores faciais (L-PRF, ácido hialurônico), laserterapia (PDT), ozonioterapia, homeopatia e, principalmente, as terapias celulares (células tronco).

Queridos colegas, todas essas terapias são reversíveis. Muito me agrada ver não somente os cirurgiões-dentistas com uma mente mais aberta para essas terapias. Como os pacientes que estão optando cada dia mais por procedimentos simples, rápidos, reversíveis, acessíveis e mais naturais.

É como dizem alguns (e eles estão certos): cursinho de dois ou três dias para capacitar alguém em alguma coisa não é válido! E por mais simples ou complexo que sejam esses cursos, eles servem para nos orientar e indicar por onde começar a estudar. Assim acontece também com as palestras dos congressos que assistimos.

Nós sempre vamos precisar de um “norte”, mesmo que você seja um autodidata. E para quem ainda não entendeu, estudar faz parte da vida acadêmica e de toda sua vida clínica, pois a ciência é uma verdade passageira!

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.