Para Protéticos

Acabamento subgengival em prótese dentária fixa

Acabamento subgengival em prótese dentária fixa
Compartilhar | Comentar

A cada dia que passa o quesito estético é mais procurado dentro dos consultórios odontológicos.

O profissional deve se preocupar com o paciente como um todo, principalmente em uma abordagem mais generalista dentro da própria odontologia, e estar atento a um possível tratamento multidisciplinar para determinados casos.

Quando falamos em próteses, sejam elas totais, parciais removíveis ou não, e até mesmo unitárias, estamos falando não só de estética ou técnicas corretas, mas sim da autoestima do paciente, que muitas vezes não tem um bom relacionamento social devido a uma alteração estética, seja ela branca ou rosa.

Dentro das próteses fixas, campo onde a tecnologia avança cada vez mais, ainda nos deparamos com algumas dúvidas que nos cercam há bastante tempo, como por exemplo:

Quando levar um preparo para nível subgengival? Quanto estender esse preparo para a área subgengival?

De acordo com a literatura, os autores são unânimes em concordar que para a saúde periodontal o término ideal seria o supragengival, além de facilitar a moldagem do preparo e polimento da área de cimentado das próteses, facilitando a higiene.

Em relação a linha de término de preparos protéticos, alguns fatores devem ser considerados:

  • Os remanescentes de estrutura dentária;
  • O comprimento e o paralelismo dos pilares;
  • A provável torção da prótese fixa;
  • E as necessidades estéticas do paciente.

Espaço biológico

Um conceito muito abordado é o de “espaço biológico”, que consiste na distância compreendida entre a base do sulco e a crista alveolar, e é necessário para que os tecidos possam se arranjar histológica e morfologicamente em condições fisiológicas.

Isso evidencia a necessidade da existência em torno de 3mm de estrutura dental sadia coronariamente à crista alveolar, em qualquer preparo protético. Logo as margens das restaurações não deveriam ser levadas subgengivalmente penetrando no tecido conjuntivo, mas levadas intra-sulcularmente sem violar o espaço biológico. O rompimento da aderência epitelial causa a sua migração apical e o aprofundamento do sulco formando uma bolsa, prejudicando a estética rosa do paciente.

Portanto a indicação usada é levar o término para no máximo 0,5 mm subgengival, de forma que a estética seja alcançada sem, no entanto, prejudicar a saúde periodontal na região da instalação da prótese.

A escovação convencional permite um controle até 0,5mm subgengival, enquanto que a escova interdental pode atingir até 2,5mm. Pacientes motivados, devidamente instruídos e com uma seleção adequada do instrumento de limpeza, dada a grande diversidade dos mesmos, eventualmente profundidades maiores podem ser controladas.

Considerações de pesquisadores sobre acabamento subgengival em prótese dentária fixa

Alguns autores ainda atentam para um outro fator a ser considerado na decisão da posição limite da linha final dos preparos restauradores, que dizem respeito as atitudes clínicas relativas aos procedimentos de moldagem que necessitam de manobras específicas de afastamento gengival.

Nessas circunstâncias, há o risco de rompimento das fibras da inserção conjuntiva e, a partir de então, gerar lesões irreversíveis como a doença periodontal e recessão gengival, dada as características de imprevisibilidade de resposta do periodonto de proteção frente à mínima agressão.

Dentro do exposto a cima, fica claro que um exame clínico inicial, no qual será avaliada a queixa principal também se faz necessário um odontograma completo, avaliando tanto a estrutura dentária, como tipo gengiva do paciente, sondagem de bolsa, para somente então elaborar um planejamento dentro de prótese fixa e seu término cervical.

Muitas vezes também é necessário um tratamento conjunto entre o periodontista e o protesista para que uma estética de excelência seja alcançada ao final da confecção do tratamento.

Autora: Dra. Lila Bolsanelo.

Cirurgiã-dentista formada pela UFES. Especialista em Implantodontia na FOV-RJ. Capacitação em Cirurgia Oral Menor na ABO-ES. Capacitação em Toxina Botulínica e Preenchimento Facial. Capacitação em Bichectomia. Membro da SBTI.

Site: www.lilabolsanelo.com.br 

Instagram: @dralilabolsanelo

Facebook: Lila Bolsanelo Implantodontia e Odontologia Estética

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.