Ortodontia

Alinhadores invisíveis: um tratamento revolucionário?

Alinhadores invisíveis: um tratamento revolucionário?
Compartilhar | Comentar

Ah os alinhadores invisíveis… uma novidade na ortodontia? Um tratamento revolucionário? Não precisamos mais do ortodontista?

Eis algumas das muitas perguntas que recebo de colegas e pacientes. E acreditem, elas chegam em massa. É fundamental esclarecermos as principais dúvidas e abrir algumas mentes mais céticas em relação aos alinhadores.

Novidade?

Não, não estamos diante de uma novidade. Os alinhadores invisíveis já estão no nosso meio desde meados dos anos 90 e estão se aprimorando e ganhando mais espaço na rotina do ortodontista.

É muito claro que a procura por estética está aumentando e, com isso, os sorrisos metálicos estão sendo cada vez menos procurados, abrindo espaço para a “ortodontia invisível”.

Não preciso nem comentar que além da estética, o conforto de não ter um fio ou um bráquete machucando a mucosa é excelente. O fato de poder passar um fio dental como se não estivesse sob tratamento ortodôntico, de poder retirar o aparelho e tirar fotos sem medo de sorrir são alguns dos motivos de grande procura por esse tratamento.

A ortodontia digital veio para ficar

Os planejamentos digitais visam um tratamento mais conservador. Com os desgastes interproximais sendo realizados de forma mais precisa, há a possibilidade de simular resultados finais antes de iniciar o tratamento. Também de poder escolher tratar o caso com ou sem extração, vendo como finalizaria cada uma das opções. Um verdadeiro test drive do sorriso!

E quem faz o planejamento? Nós, os ortodontistas! Com tudo o que tem direito: panorâmica, periapicais, modelos (virtuais ou não), cefalometria… a ortodontia continua sendo a ortodontia!

Mas, não pense que todos os casos podem ser resolvidos com os alinhadores. Pelo menos não ainda. Apesar de saber que a maioria dos casos PODEM ser tratados com esse tipo de aparelho, existem limitações como: molares muito inclinados, casos com indicação de cirurgia ortognática (apesar de os alinhadores poderem ser utilizados como preparo pré-cirúrgico, o aparelho fixo ainda é a melhor opção na hora da cirurgia), tracionamentos, etc.

Alguns casos requerem um maior cuidado e técnicas conceituais. Como regra geral devem ser evitados em casos que não seria indicado nem o aparelho fixo.

Ainda para alguns casos mais complexos e com indicação, podemos fazer associação de técnicas! Isso mesmo. Mini implantes, mini placas, botões, elásticos, acessórios para levante de mordida embutidos nos alinhadores, ganchos, alças (power arms) e até mesmo propulsor mandibular.

É notável o crescimento, ano a ano, do número de casos em tratamento e no número de empresas, nacionais e internacionais, produzindo novos modelos. A expansão do conhecimento sobre os resultados obtidos e publicações científicas também propiciam um aumento nas indicações para o seu uso.

A estética, a praticidade, versatilidade e a previsibilidade dos alinhadores fazem com que estes aparelhos tenham vindo realmente para ficar.

Autora: Dra. Fernanda Baboni.
DDS. Mestre em Ortodontia. Residência em Ortodontia Estética. Invisalign Top Doctor Platinum Smile Designer. Master em Reabilitação oral.
Instagram: @drafernandababoni
Canal no YouTube: Fernanda Baboni

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.