Outros

Desinfetantes de superfícies: qual o uso correto? O que cada um faz?

Desinfetantes de superfícies: qual o uso correto? O que cada um faz?
Compartilhar | Comentar

Muitas vezes realizamos procedimentos por recomendação. E aí levamos essa recomendação, que na época era boa, para muitos anos de nossas vidas esquecendo que novos produtos surgem, novas técnicas de uso, novos conceitos, novas bactérias (e mais resistentes), esporos, microbactérias e assim por diante. Sem tempo e às vezes dinheiro para fazer uma reciclagem ou até mesmo ler artigos ou realizar pesquisas, vamos no piloto automático e nos acomodamos.

Trabalhando com empresas, precisei ler bula, responder muitas reclamações de  SAC, pesquisar… E com isso surgiu a necessidade de  pesquisas, e consequentemente mais dúvidas e mais vontade aprender. Por isso resolvi falar um  pouquinho com vocês sobre desinfetantes de superfícies.

Existem os de alto nível, nível intermediário e baixo nível:

O desinfetante de alto nível em odontologia é para o uso no dia a dia, sendo mais indicado o ácido peracético Ex.: PERAX RIO 0,2% e aldeídos (glutaraldeídos) Ex.: GLUTARON 2%.

Os desinfetantes de alto nível tem que ser todos removidos. Falaremos do ácido peracético e do glutaraldeído numa próxima conversa, quando falarmos de desinfecção de alto nível de materiais (artigos) que não podem ir à autoclave (os que são fotossensíveis).

No nível intermediário falamos do Hipoclorito, blend de quaternários de Amônia de 5° geração com biguanida e também dos desinfetantes de superfície a base de peróxido de hidrogênio.

Na verdade os quaternários estão muito mais eficazes e se tornam mais potentes quando usados todos juntos, assim tomam uma gama muito maior de microorganismos mais resistentes, como o Clostridium difficille na forma esporulada. Com o GERMI RIO PRONTO USO, em 10 minutos atingimos a eficácia. Esses desinfetantes agem por contato. Alguns para obter o resultado esperado, é preciso friccionar na sua aplicação, eles têm ou não efeito residual, e podem ser ou não corrosivos.

O Hipoclorito é muito usado, mas tem seu uso específico e causa corrosão. Não tem eficácia contra microbactérias mais resistentes da RDC 35/2010, como as Massiliense.

O Álcool também tem suas indicações e não tem efeito residual (existem vários tipos de álcool e suas classificações Ex. álcool 99%, álcool 70%, álcool saneante, álcool medicamento etc). Existem, porém desinfetantes com mais propriedades como: efeito residual, coisa que ele não tem. O álcool possui uma eficácia muito baixa limitando a bactérias e fungos. Você passa, ele evaporou e já contaminou novamente.

Ele enrijece plásticos, opacifica acrílicos, resseca estofamentos. Deve ser usado por fricção, esperar secar e repetir por 3X a mesma operação. O que muitas vezes nossa secretaria não pode fazer de maneira correta, por falta de informação ou tempo, já que as trocas de paciente tem que ser rápidas.

Blend de Quaternários de amônia, com biguanida, é a concentração de vários quaternários, de várias gerações cada um com sua função e mais a biguanida que é uma “prima da clorexidina”. O GERMI RIO age em 2 minutos por contato. Com uma borrifada do spray, você limpa até um metro quadrado (um jato de spray para cada troca de paciente).

Onde não há contato direto, tem efeito residual por 12 dias, em superfície inanimada. Ele limpa e desinfeta matando até o bacilo da tuberculose, o clostridium sporogenes, se estiver em contato por 10 minutos. Não enrijece plásticos nem opacifica metais e tem, devido a fácil aplicação, uma grande economia no tempo de trabalho. Ele é meu eleito para o consultório, consigo limpar e desinfetar desde á persiana até a cadeira.

Os Desinfetantes a base de peróxido de hidrogênio (OXIRIO) tem um efeito clareador igual dos nossos clareadores dentais a base do mesmo. Clareia chão encardido, plásticos amarelados sendo muito usado em ambulâncias.  Além de possuir um grande espectro de função bactericida, fungicida, microbactericida, esporicida e virucida (vírus encapsulados e não encapsulados). No consultório, acho muito legal usá-lo quando cai um instrumental com sangue no chão, por exemplo. Basta passar com um papel toalha e esperar o tempo de ação (5 minutos). Quando há muita matéria orgânica, deve-se retirar o excesso da mesma com um papel toalha, e na sequência aplicar o desinfetante com ajuda de um pano, mop ou papel toalha.

E por último, no nível baixo estão os Fenóis (fenol esta proibido pela ANVISA) e quaternários. Esses por serem muito fracos não são usados em nossa rotina.

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.