Dicas

Doença celíaca e sua relação com a saúde bucal

Doença celíaca e sua relação com a saúde bucal
Compartilhar | Comentar

Olá, colega leitor. Você conhece alguém com intolerância ao glúten? Então você sabe o quanto a dieta dessa pessoa é restritiva e cautelosa.

Mas afinal, como o glúten pode afetar tanto o organismo do intolerante a ele? E o que esse assunto tem a ver com a odontologia? Entenda na matéria.

O glúten é uma proteína encontrada no trigo, aveia, cevada, centeio e seus derivados. A intolerância a esta proteína é também chamada de Doença Celíaca, uma desordem sistêmica autoimune, que de acordo com a Celiac Disease Foundationafeta cerca de uma a cada 100 pessoas em todo o mundo.

Essa condição pode aparecer em qualquer idade e é caracterizada pela inflamação crônica da mucosa do intestino delgado, o que pode causar atrofia das vilosidades intestinais e, consequentemente, a dificuldade do organismo em absorver os nutrientes dos alimentos, vitaminas, sais minerais e água. Os sinais e sintomas clínicos apresentados vão muito além do trato gastrointestinal, incluindo condições de ordens endócrinas, neurológicas e odontológicas.

Odontológicas? Sim!

E é sobre isso especificamente que abordaremos nesta matéria. Vamos nos informar para enriquecer nosso exame clínico e visão integral do nosso paciente.

O que dizem os estudos sobre a Doença Celíaca?

Alguns estudos que relacionam manifestações bucais com doenças gastrointestinais apontam que os defeitos no esmalte em dentes permanentes e decíduos podem ser consequência da doença celíaca; por vezes esses são os únicos sinais que apontam para essa patologia.

hipoplasia de esmalte tem sido observada em pacientes adultos celíacos, distribuídos simétrica e cronologicamente nas quatro hemiarcadas dentárias. Estes foram denominados como defeitos no esmalte “tipo-celíaco”, com a seguinte classificação:

  • Grau 1: defeito na cor do esmalte;
  • Grau 2: discreto defeito estrutural com sulcos horizontais típicos;
  • Grau 3: defeitos estruturais maiores, com sulcos horizontais profundos e grandes fossas verticais;
  • Grau 4: defeito estrutural severo, no qual a forma do dente pode ser modificada.1

Além da hipoplasia de esmalte, de acordo com a National Foundation for Celiac Awarenessentre 4,5 e 15% das pessoas com doença celíaca também possuem a síndrome de Sjogren ou da boca seca, que também é uma doença autoimune nas glândulas salivares. Sem produção de saliva suficiente, sabemos quantos outros problemas podem ser desencadeados, como o surgimento de cáries, por exemplo.

Carvalho et al (2015) avaliaram 52 crianças com doença celíaca,  comparadas a um grupo de controle de mesmo número, que apresentaram, além de defeitos no esmalte, redução do fluxo salivar e estomatite aftosa. De acordo com o National Institute of Health a estomatite aftosa, ou aftas, também afetam de 3 a 61% das pessoas com doença celíaca.

Em um estudo realizado com 128 pacientes celíacos, notou-se a associação das alterações bucais com a doença; os pacientes da pesquisa registraram dor ou ardência lingual (30% do grupo DC e 10% do grupo controle), além de lesões na mucosa oraleritema ou ulceração, localizadas nos lábios, palato, mucosa ou língua (55% do grupo DC e 23% do grupo controle). As úlceras foram o tipo mais comum de lesão oral, apresentando-se sob a forma de púrpura, papular ou erosiva, geralmente com a margem eritematosa.

Doença Celíaca no Brasil

Apesar de não haver dados estatísticos sobre a prevalência da doença celíaca no Brasil, a mesma vem crescendo. A maior incidência de sinais e sintomas bucais (hipoplasia do esmalte dental, úlceras na mucosa bucal, dor ou ardência lingual), em pacientes celíacos, mostra a fundamental importância de reconhecer essas alterações como auxiliares no diagnóstico desta enteropatia, já que, muitas vezes, esses são os únicos sinais clínicos de uma doença que, se não tratada, mais tarde pode levar a complicações.

Essas informações não somente enriquecem nossa visão no tratamento do paciente já diagnosticado como celíaco, mas podem contribuir no pré-diagnóstico dos casos latentes ou assintomáticos. Percebê-las exige o envolvimento, não somente do gastroenterologista, mas também, de vários outros profissionais da saúde.

integração multidisciplinar no tratamento e acompanhamento desses pacientes é fundamental. Vamos espalhar essas informações.

Até a próxima matéria!

Referências:

– Celiac Disease Foundation.

– Conselho Federal de Odontologia.

– National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases.

Literatura Científica:

1- AINE L. Dental enamel defects and dental maturity in children and adolescents with coeliac disease. Proc Finn Dent Soc. 1986; 82(3):71.

2- CARVALHO FK, QUEIROZ AM, SILVA RAB, SAWAMURA S, BACHMANN L, SILVA LAB, NESON-FILHO AB. Oral aspects in celiac disease children: clinical and dental enamel chemical evaluation . ORAL MEDICINE. 2015. 119(6).

3- FERNANDES NA,MAIA JMC, MEDEIROS AMC. PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES BUCAIS NAS DOENÇAS GASTROINTESTINAIS INFLAMATÓRIAS CRÔNICAS: ANÁLISE DE 10 CASOS. Revista Ciência Plural, 2015; 1(1): 57-64.

4- Muňoz F, Del Rio N, Sónora C, Tiscornia I, Marco A, Hernandez A: Enamel defects associated with coeliac disease: putative role of antibodies against gliadin in pathogenesis. Eur J Oral Sci 2012, 120, 104–112.

5- GUANDALINI S. ASSIRI A. CELIAC DISEASE: A REVIEWJAMA Pediatr. 2014;168(3):272-278. doi:10.1001/jamapediatrics.2013.3858

6- RAUEN MS, BACK JC, MACHADO EA. Doença celíaca: sua relação com a saúde bucalRevista de Nutrição, 2005. 18(2), 271-276.

7- SDEPANIAN VL, MORAIS, MB, FAGUNDES-NETO U. Doença celíaca: a evolução dos conhecimentos desde sua centenária descrição original até os dias atuais. Arquivos de Gastroenterologia, 1999. 36 (4), 244-257.

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.

  • Thalita Galassi

    Confira todos os artigos do(a) Dr(a). Thalita
    Cirurgiã- dentista. Especialista em Ortodontia. Pós-graduada em Dentística Estética. Mestre em Ciências da Reabilitação HRAC USP. Professora de Especialização em Ortodontia - SPO. Palestrante, escritora e consultora técnico-científica em Ortodontia. Membro da Comissão de Mídias Sociais CROSP. Diretora Social da Sociedade Paulista de Ortodontia Mídias Sociais. On-line, compartilhando odontologia desde 2013.
    Facebook Instagram YouTube