Especialidades

DTM e Dores Orofaciais: o que o dentista precisa saber? Pt. 1

DTM e Dores Orofaciais: o que o dentista precisa saber? Pt. 1
Compartilhar | Comentar

Sou especialista em Disfunção Temporomandibular (DTM) e Dores Orofaciais há 14 anos, desde que a especialidade foi criada. Tenho muito orgulho de estar escrevendo sobre essa área que amo tanto. É um desafio tentar deixá-la menos complexa e trazer informações relevantes para o clínico que se depara com pacientes disfuncionais.

Primeiro passo ao receber um paciente com dor orofacial é questionar há quanto tempo ele sente dor. Se o seu paciente responder que começou a sentir dores há poucas semanas ou poucos meses, ele se enquadra em pacientes de dor aguda. Esses pacientes com pouco tempo de dor apresentam um melhor prognóstico. Você deve continuar a investigação para entender se existiu algum evento traumático no passado. Como um acidente, um tombo, uma consulta mais longa no dentista, ou alguma situação que possa ter causado uma injúria articular ou muscular.

Caso seu paciente responda que sente dores há bastante tempo, muitos meses ou anos de dor, você deve acender uma luz vermelha em seu diagnóstico. Esses pacientes se enquadram em uma classificação de pacientes de dor crônica. Eles normalmente tem um histórico longo de muitos profissionais, medicações e, infelizmente, são pacientes com prognóstico menos favorável. A literatura nos mostra que devemos ter cautela com esses pacientes e tratamentos irreversíveis não garantem redução de sintomas.

Esses pacientes apresentam alterações no Sistema Nervoso Central e são mais complexos exigindo uma equipe multidisciplinar. Dentistas, fisioterapeutas, médicos, psicólogos, fazem parte da equipe que deve abordar esse tipo de paciente de dor crônica para que o mesmo receba um tratamento adequado com redução dos sintomas.

Abaixo elaborei algumas dicas para te ajudar a realizar um diagnóstico diferenciado:

Qual horário o seu paciente sente dor? Dores ao acordar podem significar que seu paciente range ou aperta os dentes dormindo. Dores após mastigar, dores ao final do dia, pode ser que seu paciente está apertando os dentes diurno. Dores após a academia, seu paciente pode estar apertando durante o exercício, enquanto dirige, etc.

Sente dificuldade para abrir a boca, mastigar, falar? Dores durante essas atividades podem ser algum sinal de atividade excessiva dos músculos da mastigação ou algum desvio articular.

Questione sobre medicamentos que seu paciente pode estar usando: medicações como os Inibidores da Recaptação da Serotonina, que são uma modalidade de antidepressivos muito prescritos atualmente podem causar o que chamamos de Bruxismo secundário. Alguns exemplos: fluoxetina, sertralina, escitalopram.

Seu paciente dorme bem, acorda descansado? Superimportante investigar este quesito, pois os pacientes que apresentam sono deficiente terão maior propensão a dores. Nesses pacientes temos que abordar mudanças para melhorar a qualidade do sono.

Questione sobre mudanças de vida, stress, ansiedade…: sabemos que os aspectos psicológicos são importantes fatores desencadeantes e devem ser abordados, principalmente em pacientes crônicos.

Questione como é a dor e locais que o seu paciente sente, peça para que ele coloque as mãos nos locais de dor: dores de origem muscular tem características diferentes do que dores de origem vascular ou de origem neural. Fique atento e caso perceba que as dores tiveram um início súbito, dores muito intensas, em choques, ao movimentar a cabeça, encaminhe a um neurologista. Dores musculares são como uma faixa apertando a cabeça, o paciente coloca as mãos na região do músculo temporal, masseter. Normalmente não são incapacitantes.

Avalie e questione sobre ruídos ou sons articulares: deslocamentos de disco podem gerar alguns ruídos, verifique se o seu paciente apresenta uma boa abertura bucal, se a mesma exibe algum desvio.

Verifique durante o seu exame clínico: avalie todos os dentes buscando sinais de parafunção como facetas de desgastes, lesões cervicais, trincas, linha alba, língua com marcas nas laterais, redução da quantidade de saliva. Realize a palpação dos músculos mastigatórios, principalmente os temporais, masseteres, esternocleidomastoideo, atms.

Exclua qualquer dor de origem dental! Sim, muitas vezes existe algum dente que está gerando dores que refletem na face e cabeça. Realize uma excelente investigação de TODOS os dentes, faça sondagem periodontal, peça radiografias.

Na próxima semana será publicada a parte 2 deste artigo. Vou escrever sobre tratamentos e condutas.

Gostou? Leia os artigos da doutora Maria Paula, clique aqui.

Até mais!

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.