Entrevistas

Gigantes da Odontologia entrevista: Eduardo Miyashita

Gigantes da Odontologia entrevista: Eduardo Miyashita
Compartilhar | Comentar

Para continuar a série de entrevistas, nosso bate papo da semana para o Gigantes da Odontologia foi com o professor Eduardo Miyashita, que nos conta um pouco mais sobre sua grande bagagem na Odontologia. Acompanhe:

1- O que fez você se apaixonar pela profissão?

Escolhi Odontologia por afinidade com a área da saúde e, apesar do meu pai ser dentista, não houve uma influência direta na época para a escolha profissional. Mas, com certeza durante o curso me identifiquei muito com a profissão, principalmente nas áreas de Oclusão, DTM, Materiais Dentários e Reabilitação Oral.

Sou realmente apaixonado pela profissão. O fato de poder por meio dela conseguir melhorar a qualidade de vida e autoestima dos pacientes é algo gratificante. A Odontologia não é uma profissão fácil, pois exige muita dedicação, estudo e alto investimento.

O que mais me gratifica é ver a felicidade do paciente em realizar tratamentos odontológicos que promovam conforto mastigatório, alívio das dores e resultados estéticos que melhorem a autoestima e a sua qualidade de vida.

A docência proporcionou também grandes alegrias, me estimulou à procura por cursos de pós-graduação, aumentando ainda mais o meu interesse. E, depois de 28 anos ministrando cursos, é um privilégio observar que os conceitos de trabalho transmitidos através dos cursos ministrados no Brasil e no exterior, constatar que muitos dos meus alunos tiveram uma grande evolução profissional, e poder sentir que de alguma forma pude colaborar para o sucesso de muitos colegas de profissão.

2- Como foi quando você percebeu que estava sendo fonte de inspiração para outras pessoas?

A partir do momento que realizei as primeiras palestras e cursos, já ouvia relatos de colegas de como isto estava mudando suas vidas, proporcionando mais segurança na realização dos tratamentos clínicos e consequentemente maior retorno financeiro e realização pessoal. Mas isso se tornou mais evidente após a publicação do meu primeiro livro de Odontologia Estética coordenado em conjunto com o Prof. Antônio Salazar Fonseca em 2004, com a participação de diversos professores de grande relevância no cenário nacional. Isto fez com que as pessoas comentassem a importância de livros didáticos ricamente ilustrados e com conteúdo organizado de forma sistematizada e funcionando como um livro de cabeceira a vários dentistas, como grande inspiração profissional;  mas foi durante uma viagem à Lima, no Peru, em 2005, que pude perceber a importância de uma publicação com alcance internacional. Muitas pessoas me conheciam e referenciavam o meu nome em suas apresentações acadêmicas, posters  e mesas clínicas e, isto foi motivo de grande orgulho, principalmente demonstrando a importância da Odontologia Estética brasileira no cenário internacional.

3- Quem são suas maiores influências no universo odontológico?

É sempre muito difícil mencionar nomes pois somos influenciados por grandes profissionais, mas eu tive grandes mestres que me inspiraram e influenciaram pelo seu exemplo profissional. Como principais pessoas posso mencionar durante a minha graduação o professor Wilson Garone Filho, JJ Barros, João Gilberto Cunha Moreira, Guilherme Saraceni, Antonio Carlos Bombana, pela forma excepcional que ministravam suas aulas e mostrando uma Odontologia de altíssimo nível. E fundamentalmente os professores Ruy Fonseca Bruneti e Marco Antonio Bottino, grandes mestres que me proporcionaram uma visão integrada da reabilitação oral, de forma humanística. Pessoas que foram fundamentais para o meu estímulo à vida acadêmica e atividade clínica na área de reabilitação oral foram os Profs. Jurgen Jacobsen, Moacir de Oliveira Rodrigues e Eurípedes Vedovato. Na área de Odontologia Estética o Prof. Dirceu Vieira e na Oclusão e DTM os Profs. José dos Santos Jr e Antonio Sérgio Guimarães. São tantos, mas  precisaria mencionar estes que me influenciaram de forma mais direta.

4- Tem algum desejo ou experiência profissional que você ainda não realizou? Se sim, qual?

Todos nós somos muito motivados por desafios, e neste momento os maiores desafios são na realidade, desenvolver projetos e técnicas de trabalho que proporcionem de forma mais fácil, rápida e previsível a realização dos procedimentos clínicos odontológicos em reabilitação oral com tecnologia digital CAD/CAM e a busca de evidências científicas, principalmente nos mecanismos preventivos da doença cárie, periodontal, o controle do Bruxismo e das dores relacionadas as disfunção temporal mandibulares, são sempre grandes desafios. E neste quadro, desenvolver softwares de educação e tomada de decisão clínica com o uso de algoritmos para auxiliar o dentista no seu planejamento clínico.

5- Qual caso clínico, realizado por você, tem um significado especial? E por quê?

Existem vários casos que nos marcam ao longo da vida. Casos de pacientes com grande colapso oclusão, alteração estética e dores faciais, que nós podemos através da nossa profissão devolver a um convívio social com uma harmonia facial estética e funcional. Mas sem dúvida, os casos de pacientes com dores crônicas que muitas vezes padecem com tratamentos dispendiosos e sem eficácia ou durante vários anos foram diagnosticados de uma forma equivocada apresentando dores temporomandibulares, a possibilidade de minimizar essas dores e muitas vezes eliminando-as por completo juntamente com cefaleias associadas as alterações músculo-esqueletais são as que trazem a maior satisfação profissional.

A técnica restauradora é sempre através de procedimentos repetitivos, destreza técnica e conhecimento das propriedades dos materiais odontológicos. O tratamento das dores temporomandibular e dores orofaciais são muito mais críticas, dependem de um diagnóstico apurado e, muitas vezes, os nossos recursos técnicos são extremamente limitados nestes casos.

Um correto diagnóstico da doença e suas comorbidades podem fazer uma grande mudança na qualidade de vida das pessoas, alguns pacientes relatam que: já haviam pensado em suicídio, não tinham mais esperanças de cura, a vida não fazia mais sentido, não conhecia mais a sensação de estar sem dor, e que com procedimentos simples, podem ter uma melhora acentuada ou a remissão total da dor e dizem “hoje tenho uma nova VIDA depois deste tratamento”, faz com que a nossa VIDA e a escolha da nossa profissão tenha valido a pena.

Desejo a todos os colegas um feliz mês do dentista brasileiro e que tenham cada vez mais sucesso e realizações profissionais!

Prof. Dr. Eduardo Miyashita

Prof. Titular do Departamento De Odontologia, Disciplina de Prótese Dental da UNIP/SP.

Mestre e Doutor em Prótese Dental.

Especialista em Prótese Dentária, Periodontia e Implantodontia.

 

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.