Casos Clínicos

Implante unitário pré-molar superior

Implante unitário pré-molar superior
Compartilhar | Comentar

Relato de caso clínico

Paciente sexo feminino, 34 anos de idade.

Foi discutido com o paciente a necessidade de um possível enxerto para melhorar a estrutura vestibular da região, mas a paciente não estava interessado no procedimento.

Passo a passo 

Inicialmente, a informação da paciente foi inserida no software e o escaneamento realizado pelo TRIOS e as tomografias foram carregadas. O dente foi selecionado para o planejamento da prótese reversa e posteriormente ao planejamento do implante. Um guia cirúrgico foi projetado e fabricado para fornecer precisão e previsibilidade na cirurgia. Finalmente, o pilar do implante foi selecionado e a coroa foi feita com o software Dental System.

O escaneamento realizado pelo TRIOS e as tomografias computadorizadas foram carregadas no software Implant Studio. Observe que o arquivo da tomografia computadorizada foi carregada no Implant Studio e permitiu a avaliação geral do caso, bem como os recortes específicos, demonstrados nas figuras 3 e 4.

Foi feito o alinhamento da tomografia computadorizada com o escaneamento intraoral. Para verificar o alinhamento, o software oferece uma escala de cores, que permite quantificar a precisão desse alinhamento (Figura 5). Após a colocação do implante, o guia cirúrgico foi projetado e personalizado para o caso. Posteriormente, o arquivo digital do guia é enviado (em formato STL) para ser impresso em 3D ou fresado de forma precisa (Figura 6).

Para registrar a posição do implante e a fabricação da coroa, um pilar para escaneamento foi inserido ao implante e sua varredura foi realizada com o TRIOS. Após a digitalização, as imagens 3D foram projetadas no software Dental System, com o objetivo de iniciar o projeto da coroa (Figuras 7 A-D).

Ao olhar para esta imagem, você pode ver o guia cirúrgico fresado em “A” e o protótipo em “B”. Observe que, neste exemplo, o guia que foi fresado oferece uma maior translucidez, mas a decisão de usar um ou outro depende da filosofia de trabalho adotada. Além disso, é possível mostrar que, independentemente do método de fabricação do guia, possui ajuste preciso e estável para a cirurgia. Na imagem “C”, é possível ver o implante com o pilar de cura colocado e na imagem “D” você pode ver o conjunto de perfil de emergência para otimização estética.

Posicionamento da coroa e ajuste digital dos contatos proximais e oclusais, para moldar a coroa com tecnologia CAD/CAM. Neste caso particular (Figura 8), foi decidido copiar a forma anatômica do segundo pré-molar para restabelecer uma melhor estética e funcionalidade para o paciente.

Implante e coroa anexados com ajuste preciso, restauração da estética e função do paciente. Observe a semelhança da forma obtida quando comparada ao segundo pré-molar, mostrando a grande capacidade do software de imitar os detalhes anatômicos (Figura 9).

Autor: Nelson Silva – Professor do Departamento de Odontologia Restauradora da UFMG.  Especialista em Prótese – CEO IPSEMG. Mestre em Reabilitação Oral pela Universidade de São Paulo. Doutor em Reabilitação Oral pela Universidade de São Paulo e New York University. Pós-Doutor pela New York University em “Biomaterials Science”.  Atuou como Assistente e Professor. Associado na Universidade de Nova York, EUA 2002-2012.

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.