Programa Brasil Sorridente pode ser incorporado ao SUS

Programa Brasil Sorridente pode ser incorporado ao SUS
Compartilhar | Comentar

Em Brasília, a Câmara dos Deputados segue discutindo o projeto de lei número 8.131 de 2017, cujo objetivo é instituir a Política Nacional de Saúde Bucal dentro do SUS, o Sistema Único de Saúde. A proposta visa efetivar o programa Brasil Sorridente, criado em 2004 e que oferece atendimento odontológico à população através do Programa de Saúde da Família.

O projeto já foi aprovado pela Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF) ainda em 2017 e, para a deputada-relatora Conceição Sampaio (PP-AM), é necessário que o serviço se torne permanente para não correr o risco de ser cancelado por governos futuros.

Programa colocou o Brasil na segunda posição do ranking de saúde bucal

Segundo Sampaio, há cinco anos o Brasil Sorridente já havia diminuído em 26% a quantidade de dentes cariados que eram perdidos por pacientes na faixa dos doze anos de idade. Como consequência do bom resultado, o número de crianças nessa faixa etária que estavam livres das cáries subiu de 31 para 44%, crescimento que ajudou a colocar o país na segunda posição do ranking de saúde bucal da América Latina.

Em 2003, quando os atendimentos do Brasil Sorridente ainda não existiam, estimava-se que 20% da população já havia perdido toda a arcada dentária, 13% dos adolescentes nunca havia realizado uma consulta odontológica e quase a metade deles (45%) não fazia uso regular de uma escova dental.

Na defesa do projeto, a deputada fez uso de um conceito amplamente conhecido e defendido por todos os profissionais da odontologia: o de que a saúde realmente começa pela boca. Para Conceição, dar a devida atenção a essa parte do corpo ajuda diretamente na prevenção e no combate de uma série de doenças que engrossa as filas do sistema público de saúde – por isso integrar a proposta do Brasil Sorridente ao SUS faz tanto sentido.

Atualmente, atendimento odontológico é feito através da Estratégia Saúde da Família (ESF)

Em 2016, o Brasil possuía 1.033 centros especializados em odontologia distribuídos em 858 municípios e quase 1.800 laboratórios de prótese dentária. Atualmente, a atenção à saúde bucal é dada por meio da Estratégia Saúde da Família (ESF), formada por aproximadamente 25 mil equipes que atendem às necessidades básicas de mais de um terço da população (38%).

O projeto de lei ainda será analisado por outras comissões da Câmara Federal para então ser encaminhado à sanção e entrar em vigor.

Fontes: Correio da Amazônia, Rádio Muriaé.

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.