Odontologia é ponto fora da curva na crise brasileira

Odontologia é ponto fora da curva na crise brasileira
Compartilhar | Comentar

O Brasil é país que tem mais dentistas em todo o mundo, concentrando 15% de todos os profissionais da área. Nos últimos anos, o mercado odontológico seguiu em franca expansão apesar da crise financeira que acomete o país, tendo faturado mais de R$ 38 bilhões, de acordo com o Conselho Federal de Odontologia, o que o levou a conquistar a quarta posição no mercado de higiene bucal mundial.

Os planos exclusivamente odontológicos, por exemplo, continuam a subir, ao contrário do que aconteceu com os planos de saúde – que perderam 3 milhões de clientes nos últimos 3 anos, de acordo com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). De acordo com o Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia de Grupo (Sinog), 2,6 milhões de pessoas contrataram planos odontológicos nos últimos dois anos, o que representa um crescimento de 12,60% no período.

As fusões e aquisições do setor também estão aquecidas. Em agosto, a OdontoPrev, um dos grupos mais conhecidos no mercado brasileiro, realizou a aquisição da empresa Odonto System, no Ceará, por R$ 201,6 milhões. Mais cedo, em abril, a Septodont, líder mundial em anestésicos injetáveis para odontologia, havia adquirido a DLA, fabricante de anestésicos. Agora em outubro, o Grupo São Francisco, efetuou sua segunda aquisição em cinco meses, absorvendo a São Lucas Saúde, com 70 mil usuários e forte atuação no interior de São Paulo. Em maio, a holding havia arrematado a Oral Brasil Planos Odontológicos, com 30 mil beneficiários – além de aquisições, o grupo, que recebeu aporte do fundo Gávea, pretende investir R$ 60 milhões na ampliação de sua rede.

Destaca-se também a participação da odontologia estética nos resultados: De acordo com a SBOE (Sociedade Brasileira de Odontologia e Estética), atualmente são realizados 2,7 milhões de implantes/ano e a média registrada de crescimento na procura por tratamentos estéticos nos consultórios de dentistas é de 300%. Atualmente, mais de 55% do faturamento das clínicas estão concentrados em procedimentos estéticos.

A Dentalis Software é mais um exemplo da saúde do setor: a fornecedora exclusiva de tecnologia de gestão de consultórios das mais de 130 clínicas Sorrisus, pertencentes ao grupo Saudalys, cresce mais de 30% ao ano desde 2015. Líder de mercado com 34% de market share, a empresa oferece uma plataforma de SaaS para a gestão de processos de agendamento, pagamento e armazenamento de fichas de pacientes de mais de 17 mil clínicas em todo o Brasil e conta com uma base de 4 milhões de vidas.

A respeito do ticket médio do brasileiro no consultório dos dentistas de sua base, a empresa, que vem crescendo mais de 30% ao ano desde 2015 identificou que a média de gasto anual com procedimentos odontológicos em 2017 ficou em R$ 730, sendo que o maior gasto médio per capita foi identificado em Santa Catarina (R$2.225) e o menor no Maranhão (R$ 182). Em São Paulo o valor ficou em R$ 613, no Rio de Janeiro em R$ 701 e os pacientes de Minas Gerais gastaram em média R$ 662 no ano.

Para manter-se à frente em seu setor, a Dentalis acaba de acertar parcerias com as fintechs QuickCheck (acelerada pela Artemisia) e FitBank (criada ex-sócios da XP Investimentos).

A solução chega para resolver a vida de muitos brasileiros: segundo o IBGE, 60 milhões de pessoas não possuem conta bancária no Brasil. O QuickCheck entra no pacote da Dentalis e oferece uma solução que pode aumentar drasticamente o ticket médio dos pacientes odontológicos e ampliar o acesso à saúde bucal, já que apenas 23 milhões de brasileiros têm seguro odontológico e os procedimentos muitas vezes precisam ser parcelados – opção que exclui pessoas sem conta no banco.

Sendo assim, a Dentalis decidiu criar um projeto que integrasse alternativas financeiras inovadoras das startups com o Dentalis Mobile, aplicativo projetado pela empresa para facilitar a entrada de dados sobre o atendimento do paciente – que na maioria dos consultórios ainda é feita no papel – e cortar 35% do tempo gasto com essa atividade.

Já a FitBank permite que a Dentalis passe a atuar como um sistema de gestão financeira em si, já que os consultórios podem emitir, cobrar e pagar boletos por meio da própria plataforma, calcular comissões e repasses, transferir e receber valores e notificar o cliente sobre cobranças.

Fonte: segs

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.