Para Estudantes

O que ninguém te conta sobre a vida de dentista recém-formado

O que ninguém te conta sobre a vida de dentista recém-formado
Compartilhar | Comentar

.

Me formei, e agora?

Quando nos formamos surgem aquelas dúvidas: o mercado está saturado? Como me destacar? Onde trabalhar? Como lidar com as emergências? E se eu não souber fazer? Como posso cobrar? Monto consultório? Trabalho em clínica popular? As dúvidas são tantas que eu poderia passar um dia aqui só escrevendo sobre todas as inseguranças que aparecem para um dentista recém-formado.

Possíveis cenários

Provavelmente você vai identificar pessoas que se encaixam nas seguintes situações:

– Recém-formados que já possuem algum dentista na família e acabam imaginando que os primeiros passos da carreira já estão garantidos, até se depararem com as cobranças dos pacientes: “Ah, mas seu pai não faz assim”;

– Alguns dentistas caem de paraquedas em clínicas com profissionais mais experientes, que fazem tudo diferente do que ele acabou de aprender na faculdade, e isso pode ser um grande desafio;

– Outros dão a cara a tapa, abrem sua própria clínica e “seja o que Deus quiser ”;

– E tem a gente, que sai da faculdade sem saber se chora de alegria ou de preocupação.

Como vou ganhar dinheiro fazendo o que eu amo?

Pensando nisso, eu comecei a imaginar o que fazer para me destacar, em como ser reconhecida se nem eu sabia se estava fazendo direito. Todo mundo falava: “Você tem que pegar mão primeiro, treinar”, mas que cargas d’água isso significa? Ganhar mal e trabalhar como uma camela? Posso dizer que é tipo isso mesmo. A gente tem que trabalhar e muito!

Se eu posso dar dois conselhos, agora com 10 anos de formada, seriam: não pare de estudar e não desista.

Não é fácil!

Seria fácil dizer para não se submeter aos valores que as clínicas populares pagam, depois de eu já ter passado por pelo menos cinco delas. Já entrei numa clínica que, só de ver a cor da parede, me assustei. Apelidei-a de inferninho quando, no meu primeiro dia, encontrei um menino na porta entregando panfleto: “Extração R$15! ”. Saí para almoçar e não voltei até hoje.

Já trabalhei em um consultório onde a proprietária me disse: “Abra o dente do paciente o mais profundo possível, mesmo se a cárie for só em esmalte, vá até a dentina para aparecer no raio-x senão você não ganha”. Desse eu saí xingando e ainda mandei um e-mail para o convênio.

Já trabalhei em uma clínica que me pagava por 12 horas de trabalho, menos do que vale uma restauração classe I. Também já cliniquei num local onde ofereceram um lanche do McDonald’s por uma manhã de atendimento. Mas, dentro dessas clínicas eu aprendi como me portar, e aí eu entendi o que era “pegar mão”. É quando você treina, começa a ter mais segurança, aprende a falar com o paciente, aprende a se impor como profissional.
Você vai encontrar desonestidade, pessoas que te encorajam a desistir e que dizem que seu trabalho não vai te sustentar. E sabe o que você deve fazer? Escutar, filtrar e seguir o jogo. Quando você se deparar com alguém desonesto, pule fora. É fácil ganhar dinheiro enganando os pacientes, porque a maioria deles está ali com medo e confiando em você. Você é o “Doutor”. Mas não vale a pena, não tenha medo de dizer não.

Não tenha medo de dizer que não sabe fazer, não pare de estudar e não deixe de fazer o que você aprendeu. Alimente seu currículo com bons cursos, olhe nos olhos dos seus pacientes e dê o seu melhor. Pense que aquela pessoa ali está nas suas mãos e que você pode melhorar a vida dela, seja devolvendo um sorriso, seja curando uma dor, seja apenas a escutando por alguns minutos. E vou te dizer: vale a pena!

As dificuldades? Você consegue passar por elas sem nem notar, é só levar a profissão com amor e respeito. Respira fundo, todo mundo teve um começo, e nós vamos conversando ao longo do tempo sobre cada uma delas. Por enquanto, siga em frente com persistência e honestidade que você irá colher os frutos mais tarde.

Boa sorte e seja bem-vindo a essa linda carreira!

Autora: Dra. Renata Caruso, cirurgiã-dentista formada pela Unesp, especialista em Periodontia e mestranda em Dentística.

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.