Odontopediatria

O que você, dentista, precisa saber sobre HMI

O que você, dentista, precisa saber sobre HMI
Compartilhar | Comentar

A HMI (Hipomineralização Molar Incisivo) é um distúrbio de desenvolvimento do esmalte dentário que afeta de um a quatro molares permanentes com ou sem envolvimento dos incisivos. Tem como etiologia principalmente os fatores sistêmicos, como as doenças infecciosas ocorridas de 0 a 3 anos de idade, associadas a febre alta e uso de medicação antibiótica. As deficiências nutricionais, exposição a poluentes, complicações pré e pós-parto, componentes genéticos, entre outros, também são estudados como possíveis fatores etiológicos.

Estas alterações apresentam-se como um defeito qualitativo do esmalte, com características clínicas que variam de opacidades demarcadas branco-creme a amarelo-acastanhado, que podem levar a fraturas pós-eruptiva do esmalte com perdas estruturais de leve a severa e restaurações atípicas.

Sintomas da HMI

As crianças acometidas, frequentemente relatam dor nos dentes afetados, com sensibilidade a escovação e mastigação, podendo manifestar comportamentos negativos durante o tratamento odontológico.

Tratamento para HMI

 O tratamento depende do tipo de acometimento, as medidas preventivas, como escovação com dentifrícios com flúor e o uso tópico de verniz fluoretado, devem ser aplicadas logo após a erupção do dente afetado.

Os dentes com perdas estruturais necessitam de tratamento restaurador. O esmalte hipomineralizado torna-se poroso e frágil, apresentando uma camada desorganizada que dificulta o ataque ácido durante os procedimentos restauradores. É comum o relato de restaurações insatisfatórias e necessidade de retratamento, por isto o uso de cimento de ionômero de vidro é um dos materiais indicados para selamento e restauração dos dentes acometidos. Em alguns casos de manifestação clínica severa faz-se necessário o tratamento endodôntico, reabilitador e até a exodontia do elemento acometido.

O importante é que o clínico esteja atento a estes defeitos do esmalte, para fazer o acompanhamento e monitoramento do paciente, e desta forma minimizar e protelar os tratamentos mais invasivos.

Autora: Lilian Citty Sarmento

– Especialista (UNISA-SP), Mestre (SLM-Campinas) e Doutora em Odontopediatria (UNICSUL –SP);

– Professora do Curso de Especialização em Odontopediatria da São Leopoldo Mandic- ES;

– Autora do capítulo Hipomineralização Molar – Incisivo:  Prevalência, etiologia, características clínicas e tratamento, anuário 02 – Odontopediatria Clínica Integrada e Atual, editora Napoleão Ltda., 2015.

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.