Especial

Odontologia inclusiva: saiba como se comunicar com pacientes através da Libras

Odontologia inclusiva: saiba como se comunicar com pacientes através da Libras
Compartilhar | Comentar

Existem no Brasil 9,7 milhões de brasileiros surdos ou com severa deficiência auditiva – segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2010. Por esse motivo, é fundamental que todos nós sejamos capazes de nos comunicar com essa parte da população. É dessa forma que promovemos a inclusão social.

Muitas iniciativas são tomadas para que pessoas surdas ou com deficiência auditiva consigam ser inseridas cada vez mais na sociedade. Entretanto, ainda há muito a se fazer nesse cenário, visto que em muitos locais não há nenhum tipo de comunicação da Linguagem de Sinais. Nem do profissional e nem de recursos que possibilitem tal ação. Para uma comunicação ideal, os deficientes auditivos ou surdos precisam ser atendidos por um profissional que saiba se comunicar através da Língua Brasileira de Sinais (Libras) – ou que pelo menos saiba o básico. Mas a complexidade da língua e a falta de iniciativas públicas e privadas bloqueiam essa atividade.

E você, dentista? Está preparado para atender esses pacientes? Possui em seu consultório um sistema de identificação de sinais para facilitar a comunicação com eles? Saiba que você pode aumentar seu número de pacientes se oferecer tratamento diferenciado estando por dentro da Libras.

Você sabia que a Libras é reconhecida como a 2ª língua oficial do Brasil?

Na Lei de nº 10.436/2002, é onde a Língua Brasileira de Sinais se estabelece como sendo a língua oficial das pessoas surdas. Lê-se, portanto:

Parágrafo único. Entende-se como Língua Brasileira de Sinais – Libras a forma de comunicação e expressão, em que o sistema linguístico de natureza visual-motora, com estrutura gramatical própria, constituem um sistema linguístico de transmissão de ideias e fatos, oriundos de comunidades de pessoas surdas do Brasil.

Inclusive, foi reconhecida como a segunda língua oficial do nosso país, em 24 de abril de 2002, pelo, então, Presidente Fernando Henrique Cardoso. Logo após, regulamentada pelo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por meio do decreto 5626/2005.

Vamos aprender um pouco mais sobre Libras?

Os sinais são uma combinação dos movimentos da mão com a articulação em locais próprios do corpo humano. Os sinais também são feitos de expressões faciais e corporais. Seguindo nesta ideia, a Libras configura seu sistema linguístico de transmissão de ideias e fatos. Algumas particularidades da língua facilitam o entendimento, por exemplo:

– os verbos são apresentados em modo infinitivo (não se conjuga e não leva nome de pessoas);
– os pronomes pessoais (pessoas, retos e oblíquos) não existem. Por isso, sempre se aponta para a pessoa da qual se está falando.

Muitas ferramentas são apresentadas para que se possa ter acesso à Língua de Sinais. Estão disponíveis vários cursos na internet, aplicativos, dicionário em Libras, etc., mas ainda é pouco. Os profissionais da área odontológica precisam ter a consciência de aprimorar os recursos em seus consultórios para atender esse público de forma eficaz.

Qual a diferença entre Surdo e Deficiente Auditivo?

Deficiência Auditiva: consiste na perda parcial ou total da capacidade de detectar sons. É causada por má-formação (causa genética), lesão na orelha ou na composição do aparelho auditivo.

Surdez: é considerado surdo todo aquele que tem total ausência da audição, ou seja, que não ouve nada. E é considerado parcialmente surdo todo aquele que a capacidade de ouvir, apesar de deficiente, é funcional com ou sem prótese auditiva. Entre os tipos de deficiência auditiva estão: a condutiva, mista, neurossensorial e central.

Conheça um pouco mais da história da Língua de Sinais no Brasil

No Brasil, a história da Língua de Sinais é curiosa. A comunicação pelos sinais ganhou espaço quando, em 1857, o francês Eduardo Huet, que ficou surdo aos 12 anos, veio ao país a convite de D. Pedro II. Nesta visita, ele inaugurou a Imperial Instituto de Surdos Mudos, que perdura até os dias atuais, mas com outro nome, a INES (Instituto Nacional de Educação de Surdos).

A Libras se constituiu no Brasil como uma língua autônoma, e não estamos falando de somente gesticular. Pois ela possui sua própria estrutura e diferencia-se de região para região, de país para país. Este fato depende da cultura e das expressões regionais de cada localidade. Há, também, os diferentes níveis linguísticos empregados, como: síntese (estrutura), semântica (significado), morfológico (formação de palavra), fonológico (unidades que constituem uma língua) e pragmático (contexto conversacional).

Baixe gratuito o Guia de Sinais Básicos para se comunicar com seu paciente

As pessoas surdas são parte da humanidade, assim como qualquer outro indivíduo, e possuem direitos de expressar opinião e conquistar o seu espaço. Pensando nisso, elaboramos um material, em pdf, com alguns sinais específicos na Odontologia que ajudarão muito no atendimento às pessoas surdas. Imprima quantos forem necessários e deixe visível. Ele é válido para você, seus pacientes e toda a equipe que trabalha no seu consultório/clínica. FAÇA O DOWNLOAD GRATUITO CLICANDO AQUI

Fonte: Repositório; Instituto Itard e IBGE

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.