Digital

Planejamento digital em Implantodontia é realidade nos consultórios brasileiros

Planejamento digital em Implantodontia é realidade nos consultórios brasileiros
Compartilhar | Comentar

Hoje, o planejamento digital na Implantodontia é uma realidade nos consultórios Brasil afora. Muitas empresas estão investindo pesado em programas e sistemas que facilitem o planejamento digital completo, do início ao fim, aumentando a segurança e a previsibilidade das nossas reabilitações.

Quem mexe com implantes sabe que o posicionamento do parafuso dentro do osso é a nossa maior preocupação, levando em conta onde o dente precisa ficar na boca, principalmente em regiões estéticas. Quando comecei a “namorar” a implantodontia, em 2010, utilizávamos um cartão transparente com desenhos de vários tamanhos de implantes sobre tomografias ou sobre panorâmicas – alguns desenhos até compensavam a distorção de cerca de 30% que o exame radiográfico panorâmico apresenta. A tomografia era um exame bastante caro, pouco acessível, diferente do que acontece nos dias atuais.

Não se faz mais implante sem tomografia. Isso é inaceitável. Muito menos usando o tal cartão transparente sobre uma panorâmica, contra a janela. Hoje, recebemos um DVD e utilizamos programas de manipulação de imagens especiais para tal.

Com esses programas você pode planejar seus implantes e próteses milimetricamente sobre os cortes da Tomografia computadorizada. Pode mostrar o modelo em 3D para os pacientes. É possível escolher melhor o tipo, a quantidade, o tamanho e a largura dos implantes, instalando-os em locais de melhor oferta óssea, sabendo exatamente por onde os parafusos vão passar e onde os dentes vão ficar no final. Esse tipo de planejamento é muito utilizado, mas o próximo passo – transferir esse planejamento do computador para a boca com total precisão – ainda não é tão acessível e comum. Porém, já é possível.

Em cima desse planejamento digital, podemos solicitar ao laboratório, ou a empresa de implantes, a confecção de um guia multifuncional que vai nos auxiliar na cirurgia de instalação dos implantes. Basta posicionar o guia sobre os dentes vizinhos ou fixar sobre a mandíbula ou maxila edêntula nos protocolos. O guia vem com as perfurações exatamente onde planejamos no computador e anéis que trocamos de acordo com a largura das fresas utilizadas.

Uma dica importante para você, dentista

Tire um dia para visitar o(s) centro(s) radiológico(s) e laboratórios de prótese dentária com que você trabalha. Converse com os donos e responsáveis. Com os dentistas radiologistas. Os dentistas de consultório tendem a ficar meio longe desses parceiros e às vezes nem sabem a maneira com que trabalham e os tipos de serviços que oferecem.

O planejamento feito dessa maneira ainda vai poder determinar o uso de próteses aparafusadas ou cimentadas, escolher componentes retos ou angulados, as alturas dos componentes e quanto os implantes podem ser instalados para baixo do nível ósseo, no caso dos Implantes Cone Morse. Levando isso ainda mais para o digital, você também pode usar uma peça – comumente chamada de “Link” – para transferir a posição do implante com um escâner bucal. Esse arquivo é enviado ao laboratório para que a peça seja fresada no material escolhido. Isso também permite peças únicas fabricadas especificamente para cada caso.

Esse é o presente e o futuro da implantodontia e da Radiologia. Tudo está caminhando para o digital e quem não começar a mexer com isso vai ficar para trás. Há alguns meses vimos um vídeo circulando pela internet de um robô na China instalando um implante ultra preciso com uso de um guia, como descrito acima. Calma, vai demorar para os robôs nos substituírem no âmbito da expectativa dos pacientes e do atendimento humanizado.  Ainda é preciso um(a) dentista de carne e osso para planejar os casos e finalizar do jeito combinado com os pacientes.

Um Abraço!

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.