Entrevistas

Por que investir nos adesivos universais?

Por que investir nos adesivos universais?
Compartilhar | Comentar

O mercado odontológico vive em constante atualização para levar aos cirurgiões-dentistas maneiras de facilitar os procedimentos clínicos ao mesmo tempo em que amplia a excelência dos resultados.

Uma das novidades ainda recentes e que tem conquistado os corações dos profissionais da odontologia são os adesivos universais, também denominados “adesivos multimodo”, em especial para restaurações estéticas, tema desta entrevista.

Conversamos com o Prof. Dr. William Kabbach para conhecer melhor o diferencial do uso dos sistemas adesivos universais 3M. Acompanhe a entrevista:

  1.  Qual sua opinião sobre o uso de sistemas adesivos universais em restaurações estéticas?

Eu o indico muito em restaurações estéticas, principalmente quando se tem a presença de dentina exposta, pela vantagem dele em promover uma baixa sensibilidade pós-operatória. Ele tem uma coloração amarelada que pode assustar o clínico, mas na verdade acaba sendo uma grande vantagem, pois facilita a visualização de excessos e não causam manchas amarronzadas, comuns em adesivos dentinários em uma camada muito espessa. Na hora da sua aplicação, o dentista deve remover o excesso com microbrush e uma cânula de sucção, para que permaneça sobre o esmalte e a dentina uma película de adesivo delgada, de forma que o clínico não enxergue a coloração amarela do adesivo; o que garante uma correta aplicação do mesmo sem prejuízo estético e com a desejada longevidade.

  1. Quais as características que para você são essenciais em uma resina composta?

Para mim, é essencial boa esculpibilidade e uma cor que seja compatível com a escala mais conhecida, a escala Vita. Além disso, ela deve ter diferentes cores e opacidades, ou seja, resinas mais opacas, mais translucidadas e até resinas de efeito, porque assim é possível reproduzir as características óticas do dente natural. Pensando na restauração pronta, é importante também que ela tenha uma boa estabilidade de cor e de brilho superficial, mesmo sendo importante o clínico saber que pacientes que receberam tratamento com resina composta devem voltar ao consultório de tempos em tempos para uma sessão de repolimento.

  1. Sabemos que o polimento é imprescindível para a longevidade de uma restauração, qual o protocolo de polimento que você utiliza no seu consultório?

Para o polimento das resinas compostas, é importante ter bastante claro que a sequência de desgaste deve acontecer nos materiais com maior até os materiais de pouco poder de desgaste. Isso pode acontecer com tacinhas de borracha ou discos abrasivos da granulação grossa ou média, e o polimento pode ser feito com discos de lixa de granulação fina e superfina, ou tacinhas de borracha de diamante fino ou mesmo os discos espirais que tem diamante na sua composição e consegue fazer o polimento principalmente nas regiões de difícil acesso.

 

Esperamos que você tenha gostado das dicas dadas pelo professor. Para adquirir os produtos da marca com os melhores descontos e promoções, clique aqui.

Você já utiliza os produtos da 3M? Tem alguma curiosidade ou caso clínico interessante? Compartilhe conosco!

 

 

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.