Mercado

Por que me tornei um dentista digital?

Por que me tornei um dentista digital?
Compartilhar | Comentar

Desde que fui convidado pela Dental Cremer para escrever este artigo sobre os motivos que me levaram a digitalizar minha prática clinica, refleti sobre como poderia passar para vocês o que a odontologia digital faz de diferença para mim no consultório. Missão dada, vamos lá!

Sou usuário de sistemas digitais em odontologia desde 2007, e o início não foi fácil! Confesso, comprei um sistema em sociedade com alguns colegas e o que me motivou foi o impulso. Este é um sentimento que motiva, mas que nos aproxima do erro.

Quando incorporamos uma nova tecnologia na rotina do consultório, é preciso fazer um plano de negócio onde aspectos como custos, retorno de investimento, evolução técnica e inovação são avaliados para a tomada a decisão. Essa mudança tem que fazer diferença REAL, e hoje temos mais informações e cursos de formação para nos ajudar, situação que não existia em 2007.

O que é possível na Odontologia Digital?

Hoje temos disponíveis várias possibilidades de equipamentos. Mais do que “eliminar o laboratório” (motivo que não justifica por si só a entrada no mundo digital), a odontologia digital veio para aproximar e aperfeiçoar as comunicações clinico-laboratoriais e interdisciplinares.

A digitalização me permite escanear um paciente, enviar o projeto ao laboratório (mesmo que ele esteja em outra cidade), receber via internet o projeto de uma reabilitação de 28 elementos, modificar este projeto e aprová-lo em 2 horas. Num fluxo analógico, isto levaria no mínimo uma semana!

Nossas próteses trabalhadas no ambiente digital podem ser mais bem ajustadas, devido as ferramentas de qualidade do ponto de contato , oclusão e espessura da linha de cimentação. Tudo isso nos permite trabalhar com um aspecto que perseguimos todos os dias: PREVISIBILIDADE.

Mais do que TER o digital, o importante é PENSAR digital! 

O fundamental para dar certo é conhecer seu perfil de usuário digital (avançado, médio ou básico) e adequar o que você pretende adquirir levando em consideração o seu perfil e o perfil do seu consultório.

Assim, vocês farão investimentos com uma maior assertividade e de forma consciente, baseado num planejamento prévio. Quanto mais usuários de sucesso, maior a expansão sólida da odontologia digital e mais acessível será a tecnologia.

Como este fluxo pode ser real e acessível a qualquer dentista?

Será que a odontologia digital dará certo? Claro que sim, já deu! E esta certeza vem do fato que a digitalização revolucionou as mais diversas áreas da saúde, ciência e artes, mudando a história da humanidade. Por que seria diferente na odontologia?

A odontologia digital não surgiu para mudarmos nossa filosofia de trabalho, mas sim para aperfeiçoarmos e otimizarmos aquilo que já pensamos como ideal para nossos pacientes. Na nossa profissão, trabalhamos com o conceito de tentativa e erro, onde muitas vezes não temos um controle efetivo sobre o processo produtivo.

Como ter certeza de que o trabalho que virá do laboratório coincidirá com o ensaio estético restaurador? Como ter certeza de que o laboratório tem todas as informações necessárias para atender a expectativa do nosso cliente? É exatamente nesta lacuna que a odontologia digital faz a diferença, nos aproximando dos técnicos e dentistas participantes do caso clínico, melhorando a comunicação entre todos.

Enfim, a odontologia digital atualmente nos fornece ferramentas para que possamos atingir a excelência clínica de uma forma mais direta e clara. A pergunta que deixo para vocês não é se vocês serão digitais, mas QUANDO vocês serão digitais?

Uma ótima jornada a todos!

Se deseja saber mais sobre o assunto, siga do facebook da Dental Cremer Digital!

Autor: Lincoln Queirós – Cirurgião-dentista. Coordenador do grupo Estética HD / Telemetria Dental. Professor do curso de especialização em Dentística. Membro do International Team of Implantology (ITI).

 

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.