Ortodontia

Problemas verticais em ortodontia: sobremordida exagerada (mordida profunda) – Parte 1

Problemas verticais em ortodontia: sobremordida exagerada (mordida profunda) – Parte 1
Compartilhar | Comentar

Dando continuidade à proposta de educação continuada em ortodontia, trago hoje mais um tema evidentemente importante sobre “Problemas verticais em ortodontia: sobremordida exagerada”, também conhecida como “mordida profunda”. O intuito desse artigo é que o ortodontista, o cirurgião-dentista e o estudante de Odontologia que desejam conhecer um pouco mais sobre este universo, possam ter acesso a este conteúdo quando e onde quiserem.

A sobremordida exagerada (overbite acentuado) é um assunto muito pertinente. Sua prevalência na população brasileira é 10,8%, sendo maior no sexo masculino e na fase da dentição mista. A primeira coisa a que devemos nos atentar é ao conceito do que é este tipo de maloclusão. De acordo com Strang (1950), a sobremordida caracteriza-se pelo transpasse dos incisivos superiores sobre os inferiores no plano vertical.

Há alguns anos, Moyers (1991) nos disse que a sobrermordida exagerada é a sobreposição vertical excessiva dos incisivos, ela pode estar associada a fatores esqueléticos ou somente à sobre-erupção dentária. Com essa informação, fica claro que a complexidade dessa maloclusão pode variar muito, dependendo do envolvimento dentário ou da associação com fatores esqueléticos.

Segundo o autor, é chamada de sobrermordida simples quando apenas dentes e processos alveolares estão afetados. Ou, no caso de envolvimento de outras características esqueléticas, ela pode ser considerada ainda como sobremordida complexa.

A sobremordida normal

Em torno de 1/3 de recobrimento dos incisivos inferiores pelos superiores, é o que se espera de uma sobremordida (overbite) considerada normal. Qualquer anormalidade no sentido de um maior recobrimento caracteriza a mordida profunda.

Figura 1 – Mordida profunda.

Ainda dentro do conceito da normalidade desta maloclusão, há autores que classificam a sobremordida de acordo com a porcentagem de cobertura ou recobrimento dos incisivos inferiores pelos superiores. Visto que, o valor normal estaria em torno de 30%.

Qual a frequência e qual é a etiologia da Mordida Profunda?

A prevalência desta anormalidade na população é em torno de 10,8%. Ela pode estar associada ao mau relacionamento vertical e ântero-posterior da maxila com a mandíbula e também à maloclusão de Classe II. Mas, sua etiologia pode ser complexa.

Os fatores dentários também são importantes fatores etiológicos da sobremordida exagerada. Ou seja, os dentes posteriores podem estar em infraoclusão ou ainda, pode haver extrusão em excesso dos incisivos inferiores ou superiores, levando a esta condição.

Figura 2 – Extrusão de caninos e incisivos inferiores.

Por fim, a curva de Spee acentuada no arco inferior é uma característica que requer muita atenção no diagnóstico clínico. Além, é claro, na análise dos modelos ortodônticos. Numa vista lateral dos modelos, é possível perceber como há uma erupção exagerada dos dentes anteriores. Ou ainda, uma associação à sub-erupção da região média do arco dentário inferior.

Figura 3 – Arco inferior com curva de Spee acentuada.

Em nosso próximo artigo, vamos trabalhar mais alguns tópicos sobre o diagnóstico diferencial deste tipo de maloclusão com o uso das radiografias cefalométricas e das fotografias odontológicas. Além disso, veremos também as possibilidades de tratamento para cada caso, dependendo de cada fator etiológico.

Até o próximo texto, pessoal!

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.