Especialidades

Protetor facial e o papel do dentista

Protetor facial e o papel do dentista
Compartilhar | Comentar

Se você assim como eu é um apaixonado por esportes, já deve ter visto alguma cena como essa: atletas utilizando protetor facial após sofrerem algum tipo de lesão óssea. O protetor facial é amplamente utilizado em diversas modalidades esportivas. Ele previne a área óssea afetada evitando refraturas e antecipa o retorno do atleta em treinos e jogos.

A face é a região que recebe o maior número de traumatismo em uma eventual lesão de origem esportiva, pois está sempre na altura de um cotovelo, joelho, cabeça ou pé de outro atleta e apresenta estruturas ósseas de extrema complexidade.

Assim como um protetor bucal, que falamos recentemente aqui no blog, o protetor facial deve absorver e dissipar toda a energia de impacto recebida, seja golpe, choque ou colisão. Para que isso seja possível algumas regras devem ser seguidas.

Segundo a Associação Americana de Basquete, os protetores faciais devem seguir a conformidade da geometria facial, intensificando as zonas de resistências ósseas, aumentando a sua capacidade de proteção e minimizando a quantidade de energia que chegará a área óssea comprometida.

O profissional capacitado para a confecção desse dispositivo é o cirurgião-dentista, que deve estar atualizado sobre a formação esportiva e saber a sua correta indicação.

Assim como os protetores bucais, alguns protetores faciais são vendidos de forma pré-fabricada. Além de serem desconfortáveis, apresentarem falhas de adaptação, podem também atrapalhar a visão periférica do atleta e se deslocar facilmente durante momentos de impacto, como a foto abaixo:

Protetor facial

Imagem 1: Atacante do Bayern de Munique Robert Lewandownski utilizando protetor facial pré-fabricado durante dividida de bola.

Imagem 2: A esquerda, o atleta Lúcio (Palmeiras) utilizando protetor facial confeccionado pelo dentista. Na imagem a direita, o jogador Thiago Silva do PSG utilizando protetor facial pré-fabricado com falha de adaptação e comprometendo a visão periférica.

O protetor facial confeccionado pelo cirurgião-dentista é realizado de forma individualizada através de um molde da face, apresenta alta adaptação e proteção adequada por utilizar EVA como material de confecção (polímero termoplástico de estrutura semicristalina).

Imagem 3: Geometria do protetor facial esquematizado em 3D pelo LAPOEBI (Laboratório de Pesquisa em Odontologia do Esporte e Biomecânica) da FOUSP, coordenado pela Dra. Neide Pena Coto.

Imagem 4: Moldagem e molde facial com camada de retenção por meio de gaze.

Imagem 5: Modelo da face com protetor devidamente confeccionado (porção interna flexível e externa rígida)  e retenção do protetor facial por meio de tiras elásticas.

Quando o assunto é esporte, e especificamente atletas de alto rendimento, todo e qualquer detalhe deve ser observado. Um simples dispositivo de proteção pode fazer toda a diferença na performance do atleta, muitas vezes ignoradas pelos departamentos médicos. Um protetor facial pré-fabricado ou mal adaptado pode não prevenir o atleta de uma refratura, além de poder atrapalhar a visão e conforto durante a prática esportiva.

Gostaria de agradecer a colega e amiga Dra. Neide Pena Coto, coordenadora do Lapoebi que gentilmente disponibilizou imagens de seu excelente trabalho.

 

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.