Casos Clínicos

Remoção parcial do tecido cariado

Remoção parcial do tecido cariado
Compartilhar | Comentar

Durante um longo período de tempo, a terapêutica ao tratamento das lesões cariosas, chamada de Odontologia Restauradora, se baseava em princípios de extensão preventiva, incluindo, a remoção do tecido dental hígido adjacente a lesão de cárie, com o intuito de prevenir o aparecimento de lesões de cárie nessas regiões.

Após o conceito de mínima intervenção na odontologia, a cárie dentária passou a ser tratada como doença.

Em estágios iniciais em esmalte ou dentina, começaram a receber tratamentos não invasivos envolvendo condutas de paralisação e controle do processo carioso.

– Em estágios mais avançados da cárie, optou-se por procedimentos minimamente invasivos e remoção parcial do tecido cariado, com mínimo desgaste da estrutura dental.

A remoção parcial do tecido cariado caracteriza-se pela remoção da camada mais superficial da dentina acometida pela cárie, chamada infectada. Esta é caracterizada por um tecido amolecido, úmido, cujo colágeno encontra-se degradado, não expondo os cornos pulpares, um pouco ou nenhum potencial de remineralização tecidual.

A cárie é removida totalmente das paredes circundantes do preparo cavitário. A camada mais profunda, também conhecida por dentina afetada, caracteriza-se por um tecido mais endurecido e seco, cuja trama de colágeno encontra-se intacta e, portanto, passível de remineralização.

Além de preservar o desgaste desnecessário de tecidos sadios, esse tipo de abordagem também propicia maior conforto para o paciente, o que é extremamente relevante dentro da odontopediatria.

Na prática o dentista deve remover o tecido cariado mais amolecido do fundo da cavidade com curetas manuais, que sejam compatíveis com o tamanho da cavidade, até o momento em que o tecido começar a sair em lascas. Nas paredes laterais, como dito anteriormente a remoção deve ser feita completamente, a fim de garantir um adequado selamento da cavidade.

Com esse artigo queremos levar um pouco do conhecimento da Dentística Contemporânea, sempre levando em conta o embasamento em literatura científica para vocês leitores.

 

Referências:

  1. Anuário 1 de Odontopediatria Clinica Integrada e Atual – Jose Carlos Pettorossi Imparato.
  2. Kramer PF, Feldens CA, Romano AR, Promoção da saúde bucal em odontopediatria. São Paulo: Artes Medicas: 2000.
  3. Maltz M, Carvalho J. Diagnóstico da doença carie. In: Klinger L, editor. Promoção de saúde bucal. São Paulo: Artes Medicas: 1999.
  4. Massara ML, Alves JB, Brandao PR. Atraumatic restorative treatment: clinical ultrastructural and chemical analysis. Caries Res 2002.
  5. Mickenautsch S, Frecken JE, van’t Hof M. Atraumatic restorative treatment and dental anxiety in outpatients attending public oral helth clinics in South Africa. J Public Health Dent 2007.

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.