Outros

Doenças relacionadas à Apneia Obstrutiva do Sono

Doenças relacionadas à Apneia Obstrutiva do Sono
Compartilhar | Comentar

A Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono é uma doença que se caracteriza por carregar consigo outros danos orgânicos severos e muitas vezes irreversíveis.

Durante a noite de sono, produzimos hormônios essenciais para nossa vida, sem os quais a qualidade da saúde física e mental estará comprometida. O sono é caracterizado por estágios, cinco no total, onde em cada um desses estágios há uma função específica para reger e equilibrar nossa saúde, sendo o 4º e 5º estágio os principais.

No quarto estágio ocorre a produção da maior parte dos hormônios que regulam nossa vida, e o quinto estágio está relacionado ao descanso e a capacidade de armazenamento de informações da memória.

Um indivíduo que tenha a Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono, não consegue concluir os estágios do sono. Consequentemente, não consegue regular a produção hormonal, essencial ao funcionamento correto dos órgãos, e ter sua função neurológica e cognitiva regularizada.

No quarto estágio do sono, produzimos alguns hormônios fundamentais como:

  • Insulina: responsável pela regularização da produção de glicose;
  • Grelina e Leptina: responsáveis pela sensação de saciedade alimentar;
  • Cortisol: hormônio que controla os níveis de pressão arterial;
  • E o hormônio antidiurético.

É no quinto estágio do sono que realizamos a “faxina cerebral” e armazenamos todos os fatos importantes. Neste quinto estágio do sono é que ocorre o descanso físico e mental.

Portanto, a Apneia Obstrutiva do Sono é a doença que pode afetar todos esses comandos essenciais da nossa vida.

Médicos cardiologistas sabem que não conseguirão tratar a hipertensão arterial e arritmias cardíacas sem antes diagnosticar e controlar a Apneia Obstrutiva do Sono. Médicos endocrinologistas sabem que não conseguirão tratar os distúrbios hormonais sem antes diagnosticar e controlar a Apneia Obstrutiva do Sono. Assim como também os médicos neurologistas não conseguirão tratar problemas neurológicos e cognitivos sem antes diagnosticar e controlar a Apneia Obstrutiva do Sono.

O tratamento dos distúrbios do sono, no caso, a apneia, é capaz de evitar o enfarto do miocárdio, o AVC, o diabetes, distúrbios neurológicos, cognitivos e a obesidade.

Nesse contexto a odontologia do sono interage interdisciplinarmente com a medicina do sono, controlando a apneia – glossoptose, durante o sono, com a indicação de um dispositivo intra-oral, capaz de evitar a queda da língua.

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.