Dentística e Estética

Sobre resinas, dentistas, sabões em pó e donas-de-casa

Sobre resinas, dentistas, sabões em pó e donas-de-casa
Compartilhar | Comentar

Convencer um cirurgião-dentista a trocar de resina talvez seja um desafio tão complicado quanto fazer uma dona-de-casa mudar a marca de sabão em pó. Entretanto, em ambos os casos, se a nova opção for devidamente apresentada, se possuir vantagens consideráveis em relação ao produto habitual e, claro, se estiver com melhor preço, quem sabe os dois profissionais, da odontologia e do lar, até dão uma chance a ela.

Vale a pena ser fiel à marca?

Apesar de raros, há, sim, dentistas que levam em conta apenas o fator qualidade na hora de comprar resinas compostas e praticamente ignoram seus preços – o que também acontece com certas donas-de-casa e seus sabões em pó. Alguns acostumam-se com a marca “X” porque foi com ela que aprenderam a trabalhar na faculdade e, por isso, desenvolvem uma espécie de dependência, tornando-se reféns do fabricante e das alterações que ele eventualmente faz no produto. E há ainda os brand lovers, os “apaixonados pela marca”, que valorizam o status que tê-la no consultório pode trazer no meio profissional – e apenas nele, uma vez que a maioria dos pacientes é totalmente leiga no assunto.

Mas mesmo tendo consciência do desafio, fabricantes de resina e sabão em pó não desistem de tentar mudar as preferências de seus consumidores e lançam, de tempos em tempos, novas opções para para os consumidores. Bem-intencionada, a indústria promete milagres com suas inovações e sabe que, para fazer com que o público pague por eles, é necessário primeiro fazê-lo “acreditar no santo”.

Dentsply-Sirona: a maior do mundo voltou a produzir resinas compostas

Pois o “santo” da vez é a Dentsply, marca norte-americana que está há mais de 100 anos no mercado odontológico e que recentemente se uniu à alemã e também centenária Sirona, formando o conglomerado Dentsply-Sirona, considerado o maior do mundo na área odontológica. Amplamente conhecida entre os dentistas brasileiros, a empresa é detentora de submarcas como Jeltrate, Hydro C e Endofill, que conquistaram a preferência de muitos dentistas ao longo das últimas décadas.

Em 2017, buscando reafirmar seu espaço entre os fabricantes de resinas compostas, a Dentsply-Sirona lançou no Brasil a linha Spectra, sucessora da descontinuada TPH. Com uma fórmula consagrada nos EUA desde 2015 e adaptada à realidade dos profissionais e pacientes brasileiros, a nova resina chama atenção pelos ótimos resultados estéticos que alcança, com direito a efeito camaleão e brilho surpreendente.

Sucesso americano adaptado à realidade brasileira

Altamente indicada para clínicos-gerais, a Spectra – disponível nas versões microhíbrida (Spectra Basic) e nanohíbrida (Spectra Smart) – possui um sistema de cores simplificado, capaz de cobrir toda a Escala VITA. Graças a um excelente índice de refração, consegue restaurar inclusive tons adjacentes, o que resulta em economia para o consultório – afinal, menos cores darão conta de um número maior de restaurações.

Para o Dr. Álvaro Junqueira, a Spectra foi uma surpresa positiva. “A consistência dela é realmente muito boa. Não gruda muito na espátula e não é nem muito dura e nem muito macia. Resolveu bem alguns casos de restaurações anteriores, atingindo ótimo polimento. Ao utilizá-la em posteriores, consegui fazer bem a anatomia e a adaptação em caixas proximais”, comentou Junqueira.

Custo-benefício que se nota na prática

Outros profissionais que também experimentaram a Spectra destacam o ótimo custo-benefício da resina. A versão Basic, cujo preço por seringa é de R$36,90 (nesta semana da Dentsply Week por até R$29,52), alcança resultados similares aos das concorrentes que são comercializadas na faixa de R$ 70. No caso da versão Smart, vale a pena adquirir o Kit Spectra Smart by Hirata (R$ 359,90, na Dentsply Week por R$269,63), desenvolvido pelo cirurgião. No kit, constam 5 seringas nas cores: A1, A2, A3, A3O e YE, que são capazes de atender a 90% das restaurações feitas mensalmente por um clínico-geral.

O uso de um produto novo pode descortinar novas possibilidades, aperfeiçoar os métodos de trabalho usuais e até trazer resultados melhores. Na prática, experimentar não custa nada – ou, no caso da Spectra, pelo menos não custa muito. Os profissionais que quiserem conhecer melhor a resina e verificar a opinião dos colegas que a utilizaram, podem fazê-lo clicando aqui.

Quanto aos novos sabões em pó, melhor deixar que os próprios fabricantes ou os blogs especializados fiquem com o desafio de apresentá-los às donas-de-casa – e também aos dentistas!

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.