Especial

Sorriso Originário: a saúde bucal da comunidade indígena Guarani-Kaiowá

Sorriso Originário: a saúde bucal da comunidade indígena Guarani-Kaiowá
Compartilhar | Comentar

Hoje, no Dia Internacional das Tribos Indígenas, vim compartilhar a minha experiência com o projeto social Sorriso Originário que me proporcionou experiências incríveis, principalmente, de levar a importância da prevenção e promoção em saúde bucal através de trabalhos preventivos e de educação em uma comunidade indígena que, em sua maioria, é precária.

Por que eu escolhi a comunidade Guarani- Kaiowá?

Eu escolhi a comunidade dos indígenas Guarani-Kaiowá para o projeto Sorriso Originário por atuar como clínico geral na área e ter realizado o meu Trabalho de Conclusão de Curso da Especialização em Saúde Indígena (UNIFESP) o projeto de intervenção. Decidi colocar em ação toda a teoria pesquisada na área. E dentro da pesquisa foi verificada a prevalência da cárie e a necessidade de alertar isso de forma diferente para toda a comunidade.

A comunidade possuía os hábitos de higiene bucal, mas precários. O objetivo era o de sensibilizar os indígenas, de uma forma dinâmica, para que eles se interessassem pelo assunto e pudessem colocar em prática tudo que construíssemos juntos nas ações locais. Sempre desmitificando todas as possíveis dúvidas de maneira simples e clara. Antes de atuar na área, a maioria das crianças e muitos adultos não tinham o costume da prevenção em relação a limpeza dental como rotina. Dentista era visitado quando se tinha dor.

Vamos conhecer um pouco mais sobre o projeto Sorriso Originário e os indígenas Guarani-Kaiowá?

O projeto social Sorriso Originário atua de maneira lúdica com as crianças da comunidade indígena Guarani-Kaiowá, no interior do Mato Grosso do Sul. Dentre os costumes típicos da comunidade está o preparo da chicha: bebida de milho cozido e fermentado, usado na alimentação, rituais e festas. A luta por território nessa região é intensa não só com os fazendeiros, mas também com as famílias que vivem por perto, já que a maior geração de renda da localidade é através da lavoura. É marcante o preconceito que permeia este processo.

A alimentação dos indígenas Guaranis baseia-se no milho – considerado alimento sagrado -, na mandioca e, atualmente, no arroz. Sabemos que os alimentos ricos em carboidratos, estão propensos a aumentar o número de pessoas com a doença cárie, se a higienização bucal não for adequada. E nesta região, nota-se um grande número de crianças com cárie dentária. Isso também se deve pela grande proximidade com a cidade (Douradina-MS) e a vinda de mascates, aumentando a incidência de açúcares na população, principalmente nas crianças.

Mesmo com a realização de palestras sobre a saúde bucal, observei que ainda há crianças se alimentando desses produtos sem higienização. Os pais, responsáveis, anciões, lideranças locais são de extrema importância para orientar aos mais novos a seguirem com essa prática.

Por esse motivo, acreditei nesse projeto desde o início, e que uma intervenção educativa voltada para essas crianças e seus responsáveis é de extrema importância. Boa parte da comunidade é proveniente de famílias com baixas condições socioeconômicas, adotando alimentos industrializados e com poucas informações relacionadas à importância da saúde bucal e de hábitos de vida saudáveis.

Como trabalhamos a saúde bucal na comunidade Guarani-Kaiowá?

O projeto conta com ações pré-programadas em diversas regiões da mesma comunidade. Nela, realizo as palestras e orientações de maneira simples, linguagem acessível, sempre interagindo com as crianças, envolvendo elas no momento. Claro, tudo que você utilizar vai influenciar na atenção da comunidade ao que você está dizendo, então, separei abaixo alguns itens que me ajudaram e podem ajudar você:

Antes de cada ação é nítida a alegria de todos, a população é sempre muito interessada. Mesmo o foco sendo as crianças, os adultos e idosos acompanham de perto, apoiam e incentivam os pequenos a participarem. O melhor Feedback que recebo é o final de cada ação com todos higienizando de maneira correta… uns ajudando aos outros.

Percepções sobre o projeto Sorriso Originário

Acredito muito nos projetos sociais e que, sem eles, algumas comunidades, não só indígenas, nem conheceriam a importância da saúde bucal. Após a realização destas atividades em saúde, as crianças e responsáveis são sensibilizados para um novo hábito mais saudável.

É sempre bom conversar com os profissionais de saúde local para que se envolvam e deem continuidade às atividades a partir da aprendizagem construída e que com o apoio de todos multipliquem os conhecimentos. A confiança que a comunidade deposita nos líderes determina que outros da comunidade ampliem os impactos das atividades educativas em higiene bucal.

E lembremos sempre, os projetos são em respeito às pessoas e a sua cultura, portanto, partilhe e agregue conhecimento não importando qual a região. Abra o seu coração, de verdade! A sensação de sensibilizar um meio com algo tão bom e relevante é retribuído com muito amor e carinho na forma de olhares e sorrisos sinceros.

Se você também tem um projeto, inscreva-se no Instituto Valoriza Odonto, eu cadastrei o Sorriso Originário por lá, fui escolhido e recebi os materiais para realizar essa ação. E se você está pensando em iniciar um projeto, siga o @sorrisooriginario no Instagram e inspire-se!

Espero que tenham gostado. Até a próxima!

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.