Dentística e Estética

6 dicas para polimento perfeito em resina composta

6 dicas para polimento perfeito em resina composta
Compartilhar | Comentar

Parece uma simples etapa do processo restaurador, mas só ela pode garantir a durabilidade e previsibilidade do trabalho, seja anterior ou posterior. O polimento em resina composta pode ser, sem dúvidas, uma das etapas mais importantes da restauração.

O polimento garante uma redução do acúmulo de placa, diminui o manchamento precoce e melhora a compatibilidade com os tecidos periodontais. Neste artigo, vou compartilhar dicas para garantir um resultado perfeito nessa etapa tão importante para a restauração.

6 dicas infalíveis para o polimento perfeito

1 – Trabalhe com borrachas em até no máximo 12.000 RPM

O uso do motor elétrico ou motor de bancada é o mecanismo mais seguro e essencial para garantir o controle da rotação. O motor de bancada é uma ótima escolha, visto que torna o procedimento mais previsível, além de auxiliar em vários outros procedimentos durante o dia a dia.

2 – Não pressione demais a borracha, pois o polimento não depende de força

A pressão vai levar ao aquecimento da resina, e isso pode interferir na qualidade final e na manutenção do polimento. Além disso, as borrachas são fabricadas para liberar os abrasivos sem o uso de força. Portanto,  seu polimento estará garantido sem fazer pressão sobre a restauração!

O que faz o polimento é o atrito das partículas abrasivas na superfície do material e não a pressão da borracha sobre a superfície

3 – Polimento deve ser feito com umidade

Quando realizado sem água a borracha superaquece, prejudicando o resultado final da sua restauração. Portanto, a refrigeração é essencial. Nessa etapa, existem duas opções:

  • Se você trabalha com auxiliar, você utiliza a borracha e ela mantém a irrigação com a seringa tríplice.
  • Se você trabalha sozinho, tenha uma gaze úmida para passar entre as borrachas e garantir a umidade da resina no dente restaurado.

Durante o polimento, as partículas do polidor podem se desprender ficando sobre a superfície do material. Portanto, impede que o polidor de menor granulação possa agir sobre a superfície livre dos grânulos maiores.

4 – Para um bom polimento, reserve pelo menos 40 segundos para cada face do dente restaurado

A lisura superficial vai prevenir o acúmulo de placa bacteriana sobre a restauração. Portanto, quando não realizado de maneira correta, a resina composta fica porosa e, por consequência, leva ao manchamento precoce da restauração. Então “gaste” bastante tempo nessa etapa, ela vai garantir que você não precise refazê-la antes do previsto.

5 – Utilize escova macia ou de feltro sem abrasivos com a pasta

O abrasivo já está impregnado nas borrachas, sendo assim, você não necessita fazer esforço na resina para conseguir o polimento. O uso de uma escova macia com pasta específica vai conferir o brilho final para a resina composta ao final do processo restaurador.  

6 – Busque por polidores de marcas comerciais confiáveis e que você saiba da procedência

Alguns materiais podem prometer o que não conseguem cumprir. Mesmo que o preço não seja sinônimo de qualidade, invista em marcas comerciais consagradas para ter mais previsibilidade nos seus procedimentos. Existem marcas com polidores de passo único e de vários passos, portanto escolha o que está de acordo com o seu dia a dia e faça um investimento em bons materiais.

Depois dessas dicas essenciais você vai comprovar como seus trabalhos vão ter mais efetividade e durabilidade. É claro que todos os procedimentos prévios a essa etapa devem ser seguidos de maneira correta, tais como isolamento, preparo cavitário, condicionamento ácido, adesivo e fotoativação para garantir o sucesso do tratamento.  

Gostou desse conteúdo? Confira outros artigos clicando AQUI.

Até os próximos artigos!

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.