A radiologia odontológica e o meio ambiente

Olá radiológicos odontológicos, tudo bem com vocês? Neste artigo trago um tema muito importante dentro da radiologia odontológica e ainda mais agora em épocas de pandemia: a radiologia odontológica e o meio ambiente.

Para que tenhamos uma radiografia odontológica é necessário que tenhamos um aparelho produtor de Raios X e um filme radiográfico ou um sensor digital no qual teremos a formação da nossa imagem.

Atualmente, quais são os tipos de radiografia?

Hoje, na radiologia odontológica, temos duas maneiras de obtermos essas imagens:

Utilizando-se da radiologia convencional ou também conhecida como “analógica“, onde teremos a utilização de filmes radiográficos. E a segunda maneira, consiste na utilização de uma tecnologia mais avançada e moderna que chamamos de radiografia digital onde não utilizaremos o filme radiográfico e sim um sensor radiográfico digital, juntamente com um computador acoplado por meio do qual teremos a formação da imagem digital.

É preciso entender que a radiologia acompanha o desenvolvimento da tecnologia, então teremos cada vez mais inovações e isso traz muitos aspectos positivos. Por isso, eu vou citar aqui neste artigo um deles, que está relacionado ao meio ambiente.

Por que a radiografia convencional é prejudicial ao meio ambiente?

Primeiro ponto que precisamos compreender é que para que tenhamos a radiografia convencional é necessário que o filme radiográfico passe por uma etapa chamada de processamento radiográfico. Para que a imagem que foi formada pela interação dos Raios X com as estruturas dentais, chamada de “imagem latente” apareça, o filme radiográfico será submerso em 2 soluções químicas.

Essa etapa é chamada de processamento químico radiográfico e é composta de 2 momentos: no primeiro momento o filme radiográfico será submerso numa solução química chamada de solução reveladora, que é composta de substâncias que vão ser responsáveis pelo aparecimento da imagem no filme.

No segundo momento, o filme será submerso em outra solução chamada de fixadora, composta de substâncias que irão tornar essa imagem permanente. O próprio filme radiográfico é composto de partes: externamente temos um invólucro de plástico protegendo a parte interna onde encontram-se o filme propriamente dito, um papel preto e a lâmina de chumbo.

Todas essas substâncias oriundas do processamento radiográfico, bem como a lâmina de chumbo, o invólucro de plástico e o papel serão descartados no meio ambiente, cada um é claro, de acordo com a sua classificação, porém é importante compreendermos que será um lixo produzido pela radiologia.

Uma alternativa de radiologia sustentável

No sistema de obtenção da imagem digital não temos essa etapa do processamento radiográfico, então não teremos descartados no meio ambiente as substâncias já citadas acima e nem a lâmina de chumbo.

Por isso, destacamos as duas maiores vantagens da utilização dos sistemas digitais hoje na odontologia:

Ausência de lixo radiológico e a redução da dose de radiação recebida pelo paciente quando utilizamos os sistemas digitais.

Por isso, é muito importante que o profissional tenha o conhecimento a respeito das formas de obtenção da imagem, bem como dos equipamentos necessários para que isso ocorra, entendendo que temos vantagens muito importantes tanto para o meio ambiente quanto para o paciente.

Atualmente, cada vez mais profissionais estão aderindo aos sistemas digitais e isso é uma tendência mundial. É claro que, em um país com uma extensão territorial grande como é o caso do Brasil e com muitas diferenças socioeconômicas entre diversas regiões, o custo e acesso à tecnologia digital ainda dificultam sua ampla utilização pelos profissionais, portanto, ainda teremos as radiografias convencionais sendo utilizadas por grande parte deles.

É preciso evoluir e se adaptar

Em tempos de pandemia e pós-pandemia devemos nos preparar para utilização cada vez maior dos sistemas digitais, uma vez que não precisamos da impressão em filmes, pois a imagem já é gerada diretamente no computador, no qual poderemos avaliar essa imagem e ainda utilizar ferramentas como zoom, alterações de brilho e contraste se necessários para melhor avaliação e diagnóstico.

Ou seja, muitas são as vantagens da utilização da tecnologia digital na radiologia odontológica.

Aqui fica a minha dica para você: quer ser um profissional consciente da sua responsabilidade perante o meio ambiente e o seu paciente? Então, sempre que possível opte pela radiologia digital, assim você fará a sua parte.

Espero que tenham gostado e encontro vocês no próximo artigo!

>>> Confira outros artigos sobre Radiologia <<<

Referências bibliográficas:

White & Pharoah. Radiologia Oral. Princípios e Interpretação. 7ª ed.

Watanabe & Arita. Imaginologia e Radiologia Odontológica. ELSEVIER. 2ª ed

Abramovitz I, Palmon A, Levy D, et al. Dental care during the coronavirus disease 2019 (COVID-19) outbreak: operatory considerations and clinical aspects. Quintessence Int. 2020;51(5):418-429. doi:10.3290/j.qi.a44392

Bizzoca, M.E.; Campisi, G.; Lo Muzio, L. Covid-19 Pandemic: What Changes for Dentists and Oral Medicine Experts? A Narrative Review and Novel Approaches to Infection Containment. Int. J. Environ. Res. Public Health 202017, 3793.

Dave, Manas et al. “Urgent dental care for patients during the COVID-19 pandemic.” Lancet (London, England) vol. 395,10232 (2020): 1257. doi:10.1016/S0140-6736(20)30806-0

Meng L, Hua F, Bian Z. Coronavirus Disease 2019 (COVID-19): Emerging and Future Challenges for Dental and Oral Medicine. J Dent Res. 2020;99(5):481-487. doi:10.1177/0022034520914246

Peditto M, Scapellato S, Marcianò A, Costa P, Oteri G. Dentistry during the COVID-19 Epidemic: An Italian Workflow for the Management of Dental Practice. Int J Environ Res Public Health. 2020;17(9):3325. Published 2020 May 11. doi:10.3390/ijerph17093325

Comentários

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *