Caso clínico: tratamento ortodôntico com bráquete autoligado e fios superelásticos

A utilização do braquete autoligado como ferramenta de auxílio da atuação dos fios super elásticos no processo de alinhamento e nivelamento com a redução da fricção, ajudou a simplificar essa fase do tratamento ortodôntico.

>>>Leia mais: Vamos falar de fios ortodônticos?

A obtenção de espaço por meio de aumento de perímetro de arco, independente do protocolo adotado, tem como efeito colateral a abertura de mordida e, consequentemente, a redução no trespasse vertical. E não é diferente com o Sistema Autoligado. Ainda que a força seja leve e contínua e as ativações espaçadas, o efeito colateral, embora reduzido, não é ausente.

Benefícios do braquete autoligado

O benefício do braquete autoligado nessa mecânica é o que permite a atuação plena dos fios ortodônticos, que vão deslizando conforme movimentam os dentes. Assim, evitam pontos de travamento que provoquem movimentos vestibulinguais e verticais desnecessários e muitas vezes indesejados durante o processo.

Infelizmente, esses pontos de travamento são muito difíceis de evitar com braquetes convencionais. Portanto, o alinhamento e nivelamento com fios superelásticos utilizados com critério é mais uma opção de obtenção de espaço por meio de aumento do perímetro do arco, com expansão e vestibularização, de forma mais simplificada e com menor número de consultas.

Passo a passo do caso apresentado

Produtos utilizados neste caso clínico

Bráquete autoligado Ultra-P Roth, da Orthometric.

Fios empregados: .014” FlexyNiti Copper ALX, Orthometric;

.016” FlexyNiti Copper ALX, Orthometric;

.016”x022” FlexyNiti Copper ALX, Orthometric;

.017”x.025” de aço inoxidável para finalizar e coordenar os arcos.

Referências bibliográficas:

1. Rhoden FK., Maltagliati LA., Conti ACCF., Almeida-Pedrin RR., Capelozza Filho L., Cardoso MA. Cone beam computed tomography-based evaluation of the anterior teeth position changes obtained by passive self-ligating brackets. Cone Beam Computed Tomography-based Evaluation of the Anterior Teeth Position Changes. The Journal of Contemporary Dental Practice, August 2016;17(8):623-629.
2. Maltagliati, LA. Sistema Autoligado – teoria e prática. São José dos Pinhais: Ed. Plena, 2015.
3. Maltagliati, LA. Tratamento ortodôntico com o sistema autoligável: quando a extração e necessária. Rev. Clin. Dental Press 2015; 14(1): 8-22.
4. Baccetti, T. et al. Orthodontic forces released by low-friction versus conventional systems during alignment of apically or bucally malposed teeth. Eur J Orthodont. 2011; 33: 50-54.

Autora: Dra. Liliana Ávila Maltagliati – Mestre e Doutora em Ortodontia pela Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo.

Gostou desse artigo? Leia mais sobre Ortodontia.

 

✍️ Deixe seu comentário

📢 Compartilhe com os amigos

🕵 Siga nossas redes:

 Facebook

 Instagram

 Twitter

 Pinterest

 TikTok

Youtube

Ouça nosso Podcast

Acesse nossa Loja Virtual e encontre a solução completa para você na Odontologia!

Comentários

1 comentário
  1. Olá.Eu tenho um filho de 13 anos que precisa de aparelho,mas estou em dúvida sobre qual dos aparelhos usar(autoligado ou convencional),visto que onde moro a maior parte das clínicas oferece o convencional.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.