Confecção de laminados minimamente invasivos

A utilização de materiais de precisão nas abordagens cerâmicas pode evitar grandes desgastes dentários e resultados imprevisíveis. Procedimentos de moldagem com silicone de adição é um método que fornece uma previsibilidade do tratamento restaurador. Assim, este relato clínico demonstra um tratamento para executar de forma mais precisa laminados de cerâmica de mínima espessura.

Planejamento restaurador de laminados

A odontologia estética restauradora deve ser realizada da forma mais previsível possível. Portanto, o planejamento restaurador é essencial para obter tratamento funcional e estético. Nos casos de reabilitação funcional e estética, o objetivo do tratamento deve ser alcançado através de um diagnóstico. Portanto, um modelo de estudo é crucial para o sucesso do tratamento.

O remodelamento pela adição da cera ao modelo preliminar permite parâmetros prévios estéticos da forma, do tamanho, e do comprimento. O enceramento diagnóstico pode ser considerado o primeiro passo no planejamento da reabilitação estética. Isso serve como uma ferramenta de comunicação eficaz entre o dentista, o paciente e o técnico de laboratório dentário.

Após o procedimento de planejamento, enceramento e mock-up, deve-se selecionar, quando possível, a odontologia minimamente invasiva. Os laminados de espessura mínima têm excelentes propriedades em longo prazo e baixa taxa de falha. Portanto, o objetivo deste trabalho é demonstrar um caso com enceramento aditivo e mock-up
para o planejamento e tratamento restaurador com laminados cerâmicos de espessura mínima.

Relato do Caso Clínico

Paciente de 36 anos, de gênero masculino, apresentou-se insatisfeito com o seu sorriso. O paciente estava preocupado com a forma de seus dentes superiores e presença de desgaste dental (Figuras 1A e 1B). As imagens radiográficas foram obtidas e um exame clínico foi realizado.

Foi realizada profilaxia dentária e foram obtidos moldes para o clareamento dental caseiro por 4 semanas com peróxido de carbamida 10% (Figura 2). Nesses modelos as restaurações de cera foram feitas para definir a forma, tamanho e auxiliar no planejamento do tratamento (Figura 3).

Foi feita a seleção da cor dos dentes do paciente. Após o enceramento, foi fabricado um molde de silicone de reação de adição. O molde de silicone feito foi preenchido com uma resina bis-acrilica com pressão até que o material reagisse totalmente. Este procedimento de mock-up é uma ferramenta fiel de comunicação entre o paciente e o dentista, e entre o dentista e o técnico.

Os dentes aprovados pelo paciente foram então preparados. A moldagem foi feita usando fios de retração e silicone de adição Variotime (Figura 4). As restaurações provisórias foram feitas e o paciente utilizou essas restaurações durante alguns dias para testar se o tratamento restaurador planejado.

Os laminados cerâmicos foram fabricados e aprovados após verificação da adaptação e cor das restaurações. Foi utilizada uma pasta try-in para selecionar a cor adequada do cimento. Os laminados foram então lavados para remover a pasta de ensaio e secos ao ar. As superfícies internas foram condicionadas com ácido fluorídrico 5% durante 20 segundos com água corrente, secas com uma seringa de ar. Foram silanizadas e secos durante 60 segundos. O adesivo Gluma Bond 5 foi aplicado.

O mesmo sistema adesivo foi aplicado à superfície do dente. A restauração foi ligada com um agente cimento fotopolimerizável. O cimento foi aplicado e as facetas foram cuidadosamente assentadas sobre os dentes. O excesso de cimento gengival foi removido e a polimerização foi realizada durante 120 segundos em cada dente. As restaurações finais podem ser observadas nas Figuras 5A e 5B.

Fotos do caso clínico

Material Utilizado

Silicone de Adição Variotime – Kulzer

 

Referências

1. Reshad M, Cascione D, Magne P. Diagnostic mock-ups as an objective tool for predictable
outcomes with porcelain laminate veneers in esthetically demanding patients: a clinical report.
J Prosthet Dent 2008;99:333–339.
2. da Cunha LF, Reis R, Santana L, Romanini JC, Carvalho RM, Furuse AY. Ceramic veneers with
minimum preparation. Eur J Dent 2013;7:492–496.
3. Layton DM, Clarke M, Walton TR. A systematic review and meta-analysis of the survival of
feldspathic porcelain veneers over 5 and 10 years. Int J Prosthodont 2012;25:590–603.

Autores

Leonardo Fernandes da Cunha
Ana Carolina Portes Pasmadjian
Gabriella Resende Allig

Comentários

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *