#juntospelaodonto

Detergente enzimático: saiba porque e como utilizá-lo!

Detergente enzimático: saiba porque e como utilizá-lo!
Compartilhar | Comentar

Quando falamos do detergente enzimático muitos perguntam: para que serve? Porque não usar um detergente neutro? Estou falando do detergente neutro de uso odontológico ou hospitalar, ok? Os detergentes de supermercado espumam muito e servem apenas para lavar louça.

Independente de ser “barato” ou não, precisamos analisar o custo-benefício, economia de produto entre marcas, tempo clínico, conservação dos instrumentais e economia de material.

Quando usar o detergente neutro?

O detergente neutro pode ser utilizado para limpar do chão ao teto e ainda é próprio para lavagem de instrumentais. Sua fórmula é específica para isso, conservando os instrumentais e artigos por muito mais tempo.

No caso de instrumentais, deve-se lavá-los com escova de cabo longo dentro da cuba de imersão e enxaguá-los bem para não ficar resíduos. Depois de limpos, secos e inspecionados, devem ser autoclavados (bem enxaguados para não manchar).

Além disso, é importante nunca deixar os instrumentais secos esturricados até serem lavados. O correto é deixá-los imersos em água com detergente enzimático. Caso não use, imergir em detergente neutro e, na pior hipótese, em água. Nunca secos, combinado?

Caso você os deixe secos, vai haver uma aderência de saliva, restos de materiais, sangue e matéria orgânica dificultando muito a limpeza, pois a incrustação é maior. Portanto, materiais ou artigos mal limpos quando autoclavados não terão uma esterilização eficaz.

Tudo o que você deve saber sobre os detergentes enzimáticos

Detergentes enzimáticos possuem diferentes apresentações no quesito quantidade de enzimas. Na odontologia, costumamos utilizar o de 4 (Riozyme IV e neutro ou Riozyme Eco). Na área hospitalar, é comum utilizar o de 6 enzimas (Riozyme VI e neutro), visto que possui uma boa ação bolo fecal e sangue seco. Além disso, também possui uma apresentação em Foam (espuma), onde é utilizado no centro cirúrgico para realizar uma pré-limpeza, facilitando posteriormente a limpeza em si.

Como esses detergentes enzimáticos agem?

Agem como se fosse uma tesoura, fazendo com que a sujeira se desprenda com facilidade. Costumo dar o seguinte exemplo: se eu precisar tirar uma camiseta, tenho que levantar os braços, passá-los pela manga, cabeça e também pela gola. Mas, se eu cortar a camiseta inteira, ela vai cair sem nenhuma dificuldade, certo? E é isso que as enzimas fazem!

Os enzimáticos contêm enzimas surfactantes e solubilizantes que, juntos, removem a matéria orgânica em curto período de tempo através da ação de decomposição do sangue e fluídos corpóreos aderidos. É utilizado na pré-limpeza e limpeza, como desincrustação e remoção de resíduos orgânicos em equipamentos, artigos e instrumentos médicos hospitalares, odontológicos e laboratoriais.

Confira abaixo um resumo prático da ação enzimática e os locais mais propícios em encontrá-las:

foto 1

 

Qual é a forma correta de utilizar?

Uma das formas indicadas de uso, e que provavelmente suas auxiliares já fazem, é deixar os instrumentais imersos no RIOZYME IV e neutro na proporção de 1 mL para um 1L de água. Vale ressaltar que muitos detergentes precisam ser diluídos em 2ml, 3ml ou até 4ml por litro de água. Diante disso, o Riozyme se mostra muito econômico.

Um outro detalhe importante é orientar nossas auxiliares a usarem a medida indicada na embalagem para evitar desperdício. Ao final de cada período, lave os instrumentais com uma escova de cabo longo (lavagem manual). Ou, caso você prefira, coloque água na cuba ultrassônica (quantidade de água indicada para cada modelo de cuba). Depois disso, realizar um ciclo sem enzimático e sem instrumental. Chamamos isso de processo de desgaseificação.

Após isso, coloque o enzimático na proporção correta para a quantidade de água e imerja e os artigos e/ou instrumentais para começar o ciclo.

Qual é a temperatura ideal para eficácia do detergente enzimático?

Cada detergente tem sua melhor temperatura para exercer sua função com mais eficácia. No caso do Riozyme IV e neutro, a temperatura entre 40 a 55° graus é o ideal, podendo ser usado em temperatura ambiente também. O tempo de ação dos enzimáticos é de 5 minutos.

Só quem usa sabe como a sujidade sai com facilidade, tendo que esfregar menos os materiais e, dessa forma, conservando-os mais. Além disso, diminui consideravelmente o tempo de limpeza, otimizando a sua rotina e das suas auxiliares.

Dicas extras sobre o uso do enzimático

Dica 1: depois da lavagem manual ou com cuba, lave com água limpa abundante, para não ficar resto de detergente (restos de solução causam manchas).

Dica 2: lave os instrumentais e seque de imediato. Nunca deixe-os secar sozinhos, pois isso poderá causar manchas nos instrumentais.

Dica 3: não misture artigos de materiais diferentes entre si.

O que eu estou falando pode parecer básico, mas aprendi que fazem toda diferença! Depois me conte se valeu a pena usar um enzimático, combinado?

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.