Harmonização Orofacial

Fios de PDO: a revolução do lifting facial

Fios de PDO: a revolução do lifting facial
Compartilhar | Comentar

O implante de fios de PDO, diferentemente das cirurgias plásticas, tornou-se um procedimento simples, que não afasta o paciente de sua rotina por ser considerado minimamente invasivo e apresentar um resultado excepcional no combate ao envelhecimento. 

Na luta contra o envelhecimento fisiológico facial, os procedimentos de Harmonização Facial deixaram de ser considerados modismo para oferecer autoestima, saúde e cuidado ao paciente. Uma das grandes tendências para 2020 são os fios de PDO que prometem além do lifting dos tecidos, um estímulo da produção de colágeno através do processo cicatricial em torno deles.

O Processo de Envelhecimento

O processo de envelhecimento acontece de cima para baixo, com a perda de tecidos estruturais resultando em ptose facial. Por isso que com o tempo passamos de uma face ideal no formato triangular e bem contornada para uma face quadrada, aumentando o volume de tecido mole na mandíbula e pescoço.

O fio que é conhecido como espiculado, além de tracionar o tecido será envolto por uma neoformação de colágeno tanto no eixo principal quanto nas garras de tracionamento, o que vale dizer quanto mais cog maior resistência ligamentar.

Não são os músculos que iremos elevar com a metodologia dos fios de sustentação e sim os tecidos adiposos. Trabalhamos na região subcutânea profunda, portanto os cirurgiões precisam estar familiarizados com a anatomia facial para evitar atingir músculos e nervos durante o procedimento para sustentação de tecidos.

Planejamento e Marcação

Na hora de aplicar os fios de PDO devemos estar atentos às forças do rosto. A marcação permite avaliarmos se realmente teremos sucesso no lifting facial. O importante é sempre seguirmos a linha de força da musculatura da região para um efeito natural.

Não existe uma quantidade certa de fios a serem colocados, por isso somente através do estudo da musculatura do rosto conseguimos definir quantos serão necessários. Lembre-se de manter o registro fotográfico do caso atualizado para que você e o paciente possam constatar as mudanças feitas.

Existe hoje no mercado uma infinidade de tipos de fios e de materiais. Nossa preferência são os absorvíveis, que promovem o lifting necessário e também promovem a neocolagênese. Lembrando que os fios lisos são estimuladores de colágeno, portanto não promovem lifting facial no momento da instalação. Esse feito pode ser secundário pela formação de novas fibras de colágeno.

Os fios lisos e parafusos são instalados em derme superficial, ao contrário dos fios espiculados que estarão em derme profunda ou na hipoderme, camadas mais profundas 

da nossa pele. Conheça eles:

Fios Lisos

Podem ser aplicados em toda a face em formato de hashtags, cruzados em leque para uma melhor estruturação da derme. 

Fios Parafusos

São ótimos em rugas e sulcos mais profundos, pois, promovem um preenchimento do local formando colágeno desorganizado. Em contraste aos fios lisos.

Fios Espiculados

Tem como função o lifting facial. Se queremos diminuir as ptoses causadas pelo envelhecimento, precisamos colocá-lo de cima para baixo, para que realmente haja esse tracionamento diminuindo os sulcos formados próximos a região bucal e melhorando a ptose na região do jowls. Além disso teremos neoformação de colágeno estimuladas por esse fio.

Além da anestesia, podemos aplicar Bloqueios Nervosos, que são uma opção para evitar que o paciente não sinta o desconforto da penetração da cânula. Você pode aplicar tanto no nervo supra-orbital quanto no infra-orbital.

O Implante dos Fios de PDO

  • A cânula não pode ser muito grossa ou o fio ficará sem apoio e sem se fixar no subcutâneo. Sempre a introduzimos de cima para baixo, enquanto o fio é no sentido de baixo para cima.
  • Retire a cânula para que o fio tome a posição helicoidal, aumentando a tração e a sustentação da região tratada.
  • Utilize uma guia, pois ao passar a cânula ela pode se encher de gordura e dificultar a passagem do fio.
  • Após passar o fio, retiramos a cânula mantendo a ponta dela presa. Enquanto fazemos tração para encolher a área em que estamos passando o fio.

Atenção: O curativo é opcional, mas ajuda a evitar qualquer contato com a região em recuperação.

Ficou alguma dúvida sobre fios de PDO? Mande suas dúvidas que em breve teremos mais informações para você se manter atualizado nessa grande tendência de 2020.

Autor: Alcides Beleti

Coordenador das especializações do IOA João Pessoa, IOA Blumenau, IOA Style, IOA Lages

Membro SBTI – Sociedade Brasileira de Toxina Botulínica e injetáveis.

Mestre e especialista em Ortodontia e Ortopedia dos Maxilares

Especialista em Implantodontia e em Harmonização Orofacial

Co-autor: Caroline Vargas

Professora dos cursos de especialização em Harmonização Orofacial do IOA João Pessoa e IOA Blumenau.

Membro SBTI – Sociedade Brasileira de Toxina Botulínica e Injetáveis

Especialista e Mestranda em Harmonização Orofacial

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.