Por que se especializar em Estomatologia?

A saúde começa pela boca. Conhece esse ditado? Muitas pessoas nem imaginam como a saúde bucal interfere no restante do corpo, e também como manifestações bucais podem sinalizar que algo anormal está ocorrendo em outros órgãos.

O cirurgião-dentista que compõe a linha de frente no diagnóstico dessas condições bucais é o Estomatologista. Para seguir nessa área, é necessário ir além do conhecimento adquirido na faculdade e procurar por um curso específico (especialização ou Mestrado e Doutorado) com dedicação e carga horária apropriada para o título.

O que você deve saber antes de se especializar em estomatologia?

A Estomatologia é a especialidade responsável por avaliar a boca e suas estruturas anexas; realiza a parte preventiva de doenças bucais, como o câncer, faz o diagnóstico, prognóstico e tratamento das doenças próprias do complexo maxilo-mandibular, de manifestações bucais de condições sistêmicas, sejam elas de origem viral, bacteriana, fúngica e imunológica; e também das repercussões bucais do tratamento antineoplásico.

Onde um estomatologista pode atuar?

O dentista que faz essa especialização pode atuar no diagnóstico de lesões orais como mucocele, candidíase, hiperplasia fibrosa, úlceras traumáticas, “aftas”, lesões ósseas, entre outras, devendo estar apto a identificar a lesão, analisar os possíveis diagnósticos diferenciais em sua hipótese diagnóstica, saber realizar biópsias e outros procedimentos cirúrgicos, se necessário, e a proceder com a correta conduta clínica e/ou prescrição de medicação e acompanhamento de tal lesão. Caso a lesão seja diagnosticada como câncer, lesão maligna, o estomatologista deve fazer o devido encaminhamento desse paciente ao médico oncologista, e se manter no suporte odontológico deste paciente antes, durante e após o seu tratamento oncológico.

Considerada uma área desafiadora, a Estomatologia, está presente em consultórios particulares, Centros de Especialidades Odontológicas do Sistema Único de Saúde (SUS), hospitais (ambulatórios e UTI), laboratórios, e também na supervisão ou condução de atividades de pesquisa em universidades, hospitais e demais centros de atenção à saúde.

O Estomatologista possui papel importante em hospitais, contribuindo para o diagnóstico de manifestações orais em pacientes sistemicamente comprometidos, como pacientes transplantados, em clínicas oncológicas e centros de referência, como do HIV, participando da tomada de decisões da equipe multidisciplinar de saúde, juntamente a enfermeiros, psicólogos, médicos, nutricionistas, fonoaudiólogos e fisioterapeutas.

O CFO reconhece a especialidade de estomatologia?

O Conselho Federal de Odontologia (CFO) reconheceu a especialidade em 1992 na resolução no 181/92. Hoje em dia, segundo o próprio CFO, existem 1.007 especialistas em Estomatologia em todo o Brasil, número contrastante aos quase 17 mil endodontistas e mais de 28 mil ortodontistas com registro ativo no país.

Para seguir na área, é necessário fazer uma pós-graduação, que pode ser uma especialização ou residência uni-profissional em saúde, na modalidade lato sensu, ou mestrado e doutorado em diagnóstico bucal, stricto sensu. No país, temos diversos programas que permitem esse aprofundamento, com destaque para a residência em estomatologia do A.C. Camargo Cancer Center, o curso de especialização no Hospital Heliópolis em São Paulo e os programas de pós-graduação stricto sensu em diagnóstico bucal da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo, UNICAMP e UNESP. Na página da Sociedade Brasileira de Estomatologia e Patologia Oral (SOBEP), há uma lista de outros locais para especialização em todo o Brasil.

>>>Leia também: Biópsia na clínica odontológica: o que você precisa saber

Sobre as autoras:

Dra. Carina Domaneschi

  • Doutora em Estomalogia pela FOUSP
  • Coordenadora da Liga Interdisciplinar em Neoplasias Bucais da FOUSP
  • Profa Doutora de Clínica Integrada e Setor de Urgência Odontológica na FOUSP

 

Larissa Fernanda dos Santos Lima Macedo

  • Aluna da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (FOUSP), com estágio em Estomatologia e pacientes especiais na Universidad de Granada/Espanha (2019).
  • Realiza atendimento odontológico a pacientes com câncer de cabeça e pescoço na Liga Interdisciplinar em Neoplasias Bucais da FOUSP
  • Pesquisa a qualidade de vida relacionada à saúde bucal de pacientes oncológicos no Departamento de Estomatologia da FOUSP

Conta para a gente, você também é estomatologista ou presente seguir essa especialidade?

Comentários

3 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.