Projetos sociais: Missão África e Por1sorriso

A ONG Por1Sorriso promove a saúde com qualidade nas principais áreas vulneráveis e com pouca acessibilidade à assistência odontológica médica. Mas, se engana quem pensa que a Por1Sorriso atua apenas no Brasil. Desde 2015 a ONG possui uma parceria com a Missão África, onde contribui com atendimentos e procedimentos odontológicos em povoados com condição de miséria no continente africano. Inclusive, ela surgiu a partir de uma dessas ações realizadas em Moçambique.

Neste artigo, vamos entender melhor como funciona essa parceria e como foram realizados os atendimentos que levaram sorrisos para comunidades a mais de 10 mil quilômetros de distância.

>>> Confira alguns casos clínicos de ações da ONG Por1sorriso <<<

Como surgiu a parceria Missão África?

A ONG Por1sorriso surgiu a partir de uma das ações da Missão África, realizada em Moçambique, graças à oportunidade que tivemos de conhecer outras realidades, sair da bolha. O voluntário e fundador da ONG Por1Sorriso, Felipe Rossi se conectou com a causa e teve sua vida e coração transformados.

Portanto, não se conformou em não fazer nada, pois entendeu que a responsabilidade social está em nossas mãos, como profissionais e voluntários. Retornando ao Brasil, decidiu que devia fazer algo e fundou a ONG Por1Sorriso.

A transformação social acontece quando as duas pontas são impactadas. Por isso, nossa missão não é apenas lá, mas também com quem participa, para que haja uma transformação genuína e a disseminação da solidariedade.  Hoje, a ONG Por1sorriso e Missão África caminham lado a lado.

“Se quisermos ver transformação, temos que estar dispostos a fazer parte dela” – Paulo Neto (Conselheiro da ONG Missão África)

Quantas missões a ONG Por1sorriso participou com a Missão África?

A partir de 2015 a ONGPor1Sorriso esteve presente em quatro missões na África nos próximos anos. Uma em 2016, duas em 2017 e mais uma em 2018. Apesar de apenas quatro missões e com 10 dias por missão, a impressão é que se passaram anos, pois é tudo muito intenso.

Quando falamos no social as pessoas têm a tendência de doar aquilo que sobra. Por exemplo: Final do ano pegar o que “sobrou”, “não serve mais” para fazer alguma doação. Portanto, é importante ressaltar a excelência de como realizam-se os trabalhos, a qualidade dos profissionais, materiais, equipamentos e o bom atendimento. Mesmo, em lugares com tantas dificuldades.

Dessa forma, o que é investido na boca do paciente nessas missões, é o mesmo que seria investido dentro de um consultório particular aqui no Brasil. E é isso que chamamos de ação social, não é entregar o “resto”, mas fazer exatamente o que gostaria que fizessem por si mesmo, com a mesma energia e dedicação.

Sobre a logística dos projetos

Missão África

Atualmente, a Missão África administra 100% cinco escolas. São sustentados professores, crianças e as famílias das crianças que estão matriculadas nessas escolas. Além disso, para gerenciar e administrar os recursos das missões (geralmente 4) que acontecem durante o ano, um casal de brasileiros se mudou para a África.

Como associados, que são voluntários completamente dedicados às ações são cerca de 200 pessoas. Devido a Pandemia em 2020 não foram realizadas ações, mas foi possível manter o atendimento e acompanhamento médico e nutricional, por meio de parceiros e o casal que estão em Moçambique.

ONG Por1Sorriso

A ONG Por1Sorriso tem 5 funcionários contratados para realizar a parte de manutenção do financeiro, administrativo e marketing. Como coordenadores do projeto, que são voluntários mais comprometidos a causa, são 33 no total.  Já por parte do voluntariado, existe um banco de mais ou menos 5.000 voluntários, que são recrutados em cada ação.

Assim como as ações da Missão África, as ações da Por1Sorriso também foram paralisadas devido recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde). Apenas 4 ações pontuais envolvendo odontologia e medicina no bairro da Brasilândia em São Paulo. Entretanto, como a Missão África, a Por1Sorriso não atua apenas em campo, mas tem sua sede que não para e continuou prestando serviços às comunidades.

Qual a maior dificuldade de manter uma organização que atua fora do Brasil?

A maior dificuldade é a mesma de manter uma ONG em qualquer lugar do mundo: pessoas comprometidas, que não querem simplesmente fazer parte de uma viagem ou evento, mas buscam entender a sua responsabilidade diante disto. Portanto, uma vez estabelecido o caminho, o desafio é formar o time.

Duas ou três pessoas que se unem com propósito são capazes de fazer um trabalho que transforma a vida de milhares de pessoas. Além disso, outra dificuldade é a de encontrar empresas parceiras que contribuam com materiais e equipamentos de qualidade.

Histórias das missões que marcaram a vida dos voluntários

Vivemos uma missão muito atípica logo depois do ciclone, pois pegamos uma realidade que já era difícil, ainda pior. Usávamos a base da Jocum para montar o consultório e trazíamos as pessoas para atendimento na base.

Em uma dessas situações, fizemos as triagens em um dia e no dia seguinte a van iria retornar para buscar as pessoas que foram selecionadas. Isso costuma acontecer logo pela manhã e por voltas das 16h chegou uma criança muito exausta, descalça. Ela havia perdido a van pois o pai não quis a levar, e para não perder o atendimento ela percorreu, no sol, 37Km. Isso emocionou muito toda a equipe.

Você vê uma criança enfrentando tudo isso apenas para não perder o atendimento, nos faz questionar muita coisa. Como poderíamos viver num mundo mais igual e solidário. Isso tem que mudar algo em nossa vida. Não podemos voltar para a casa e não fazer nada.  Por isso, o principal é não desperdiçar essas lições que as missões nos dão.

Outra situação marcante foi de uma senhora que estava na fila para atendimento e a ouvimos sentir dor. Prestou-se atendimento e vimos que ela estava com um dedo da mão com tampão aberto. Isso aconteceu no caminho para seu atendimento. Ou seja, ela estava superando a dor na fila para conseguir atendimento odontológico.

Conclusão

Essas histórias são vivas dentro de nós. Às vezes as pessoas têm a impressão de que estamos fazendo um atendimento básico, quando olhamos para a nossa realidade parece ser básico, mas na realidade deles é muito diferente, pois pequenas interferências podem tirar uma pessoa de situação de morte.

Vale a pena todo o esforço, mesmo que se fosse por um sorriso, pois não é só um, mas todos os outros que virão a partir desse. É fazer tudo o que podemos fazer, mesmo que seja para salvar a vida de uma pessoa.

Conheça mais sobre as ações da Por1Sorriso pelo www.por1sorriso.org e a Missão África pelo www.missaoafrica.org.br.

Comentários

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *