Odontologia do Sono

Sonolência, seus prejuízos ao organismo e o papel do cirurgião-dentista

Sonolência, seus prejuízos ao organismo e o papel do cirurgião-dentista
Compartilhar | Comentar

A sonolência afeta 5% da população, causando prejuízos no trabalho, nos estudos, nas ações cognitivas, na vida familiar, social e num grande número de acidentes nas mais variadas ações de nossa rotina. Este percentual pode passar despercebido, significando muito pouco aos olhos do leitor, mas, quando paramos para pensar que no Brasil isso pode representar mais de 9 milhões de pessoas, as promoções aumentam, e preocupam.

Muitos dos acidentes trabalhistas e automobilísticos são causados pela privação do sono e estatísticas informam que esses dados chegam a 27%, correspondendo a 15% das mortes.

Sinais de sonolência no organismo

Nosso organismo mostra sinais quando ocorre a privação do sono:

  • Olhos com sensação de areia;
  • Frequentes bocejos;
  • Perda do reflexo;
  • Ardência e vermelhidão nos olhos;
  • Sensação de cansaço físico e mental.

A luta contra o sono é praticamente em vão. É preciso respeitá-lo, pois necessitamos do sono para dar continuidade às nossas atividades físicas, mentais, sociais e funcionais.

Causas da sonolência

As principais causas de privação do sono estão relacionadas às atividades excessivas de trabalho, ao uso excessivo de celulares e computadores antes de dormir, problemas orgânicos, alteração na fisiologia do sono, não respeitando o ciclo circadiano, distúrbios do sono como a apneia obstrutiva do sono, narcolepsia, síndrome das pernas inquietas, uso de medicações e drogas, e a insônia.

Estudos relacionam que os horários com maior índice de sonolência ocorrem entre 12:30h à 14h; entre 18h e 20h e entre 03:30h e 06h. Estes horários correspondem aos horários de pico da liberação do hormônio chamado melatonina.

Cada pessoa necessita de uma quantidade específica de horas de sono para se sentir bem. Alguns precisam dormir por nove horas, enquanto outros funcionam perfeitamente dormindo apenas seis ou sete horas por noite, e até menos. Contudo, deve-se investigar distúrbios do sono quando o paciente dorme mais de 10 horas por dia e ainda se sente cansado.

Tipos de sonolência

Existem dois tipos de sonolência: primária e secundária.

– Primária: a sonolência primária é causada por problemas nas regiões do cérebro que controlam as funções de sono e períodos acordados.

– Secundária: a sonolência secundária é um sintoma de alguma condição que causa a fadiga, dentre elas:

  • Condições médicas;
  • Doença de Parkinson;
  • Insuficiência renal;
  • Síndrome da fadiga crônica;
  • Depressão;
  • Anemia;
  • Obesidade;
  • Alguns tipos de câncer e quimioterapia;
  • Mudanças hormonais;
  • Baixo funcionamento da tireoide;
  • Trauma na cabeça;
  • Alguns medicamentos;
  • Uso de drogas e/ou álcool.

Se a pessoa estiver acordando frequentemente cansada, não se sentir disposta durante o dia, ter períodos de sonolência durante o dia ou precisar dormir cada vez mais horas para se sentir descansada, e estes sintomas estiverem interferindo nas suas atividades diárias, é importante procurar ajuda médica especializada.

 Os profissionais capacitados e especializados no tratamento dos distúrbios do sono são formados por uma equipe multidisciplinar: médico do sono, cirurgião-dentista especialista em odontologia do sono, fonoaudiólogo e psicólogo.

Esses profissionais irão investigar e examinar problemas orgânicos, morfológicos e psiquiátricos, que após exames clínicos, radiográficos, tomográficos e de polissonografia levam ao diagnóstico da apneia obstrutiva do sono, caracterizando ela como leve ou moderada.

O cirurgião-dentista especialista em odontologia do sono irá indicar a utilização de um dispositivo intra-oral de uso noturno, que proporcionará avanço mandibular individualizado ao caso, evitando que o músculo genioglosso cause o bloqueio da passagem de ar e consequentemente que ocorra a apneia.

Você já recebeu queixas como estas no seu consultório? Conte aqui pra gente como foi esta experiência e os resultados do tratamento.

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.