Técnica do isolamento absoluto na Odontopediatria

O lançamento constante de materiais restauradores odontológicos com tecnologias facilitadoras, não descartou a técnica do isolamento absoluto do campo operatório.

Um meio dentário resguardado de contaminação bacteriana, limpo e seco faz-se necessário para que esteja nas condições ideais para receber o material odontológico, com melhor acesso e visibilidade.

Quanto mais seguirmos à risca o passo-a-passo preconizado pelo fabricante, maior será a longevidade e durabilidade do material restaurador.

Para que serve o isolamento absoluto?

Elaborado por Sanford Barnum (1864), o isolamento absoluto veio como uma forma de evitar:

  • Contaminações de saliva e outros fluidos.
  • Acidentes com instrumentais (como as limas endodônticas).
  • Deglutição de produtos enxaguados (ácido fosfórico).
  • Líquidos irrigantes e debris.
  • Sentir sabores desagradáveis desses materiais.
  • Proteção dos tecidos circunvizinhos e a integridade física do paciente.

Dificuldades do isolamento absoluto na Odontopediatria

Um dos maiores desafios é a aplicabilidade da técnica no atendimento odontopediátrico. A inserção dos grampos para instalar o lençol de borracha necessita de anestesia infiltrativa, o que pode causar desconforto.

Vale lembrar que as crianças são mais propensas a terem acidentes como engasgos, aspiração ou deglutição de corpos estranhos nos momentos de não colaboração. Portanto, a técnica é de suma importância para que o tratamento odontológico ocorra de forma segura e de qualidade.

Os pacientes que passaram pelo procedimento de isolamento relativo e tiveram sensações desagradáveis, podem aceitar bem o isolamento absoluto. Geralmente, aqueles que o rejeitam, são os que não aceitam o tratamento odontológico como um todo.

Procedimentos de manejo comportamental

É importante explicar à criança, antes da aplicação da técnica, para que ela entenda que o isolamento absoluto lhe trará mais conforto. Utilizar exemplificações e linguagem que sejam de seu contexto, de acordo com a sua etapa de desenvolvimento psicológico é uma forma empática de ajudar a criança a aderir ainda mais ao tratamento.

Controlar a dor e a ansiedade é fundamental para ganhar confiança da criança e garantir a aceitação do paciente ao tratamento.

Termos como: “Capa do Superman vai proteger o dente”, “Vamos colocar o Pula-Pula, igual a cama-elástica”, “Vamos colocar um anel para segurar a capa de chuva”, são algumas ideias do mundo infantil que a ajudam a compreender.

Além disso, utilizar bichos de pelúcia com dentes para mostrar antes de aplicar a técnica, também auxiliam muito.

Contraindicação do isolamento absoluto:

Essas são algumas situações em que o isolamento absoluto deve ser substituído pelo relativo e avaliado caso a caso:

  • Paredes coronárias com grande destruição por cárie e término subgengiva.
  • Traumatismo dentário.
  • Dentes com coroas expulsivas.
  • Presença de aparelho ortodôntico fixo.
  • Pacientes alérgicos ao látex do lençol de borracha.
  • Pacientes com respiração bucal.

Qual anestesia deve-se escolher?

A anestesia mais comumente indicada é a infiltrativa, realizada na maioria dos procedimentos invasivos. Entretanto, a punção da agulha, além de ser invasiva e poder ser dolorosa, causa medo e ansiedade.

Por isso, ao realizar essa técnica é importante avisar à criança sobre os sintomas de “formigamento”, frisar que é passageiro e colar um adesivo no ombro referente ao lado anestesiado. Assim, ajuda o paciente odontopediátrico a controlar o risco de acidente como mordida de lábio ou língua, e os pais monitorarem a criança até a passagem do efeito.

Em procedimentos mais simples, como a aplicação de selante resinoso, os anestésicos tópicos podem ser de grande valia. Um dos anestésicos desse tipo mais comuns vistos no mercado brasileiro é a Benzocaína, aplicada de forma tópica, nas consistências em spray ou gel. São pouco solúveis em água (motivo o qual devemos secar a mucosa antes da sua aplicação) e, na concentração de 20%, sua reação acontece em 30 segundos e com ação aproximada de 15 minutos. Devido a curta durabilidade, a anestesia infiltrativa seria a técnica eleita.

Na escolha de uma “anestesia indolor” para procedimentos rápidos e simples, como aplicação de selantes em fóssulas e fissuras, uma boa opção é a Tetracaína, ou Cloridrato de Tetracaína, reconhecido em 1932.

É um éster, também de aplicação tópica, de maior duração (30 a 60 minutos). A Tetracaína 1% com Cloridrato de Fenilefrina 0,1%, de uso oftalmológico está sendo usado com sucesso na Odontologia em frenectomias linguais como alternativa viável para controle da dor. E, mostrou-se mais eficaz do que a Benzocaína em gel. Para sua aquisição, há necessidade de solicitação feita em receituário.

Materiais utilizados para a técnica de isolamento absoluto

A estabilização do lençol ou dique de borracha deve ser realizada com grampos. Os mais indicados para o atendimento odontopediátrico são o “00” para dentes anteriores superiores e caninos (ou até o uso de amarrilhos confeccionados com fio dental). Grampos “26” ou “209” para os molares decíduos e W8A para os primeiros molares em processo de erupção. Grampos sem asa (como o W8A) são ideais para dentes parcialmente erupcionados, dentes com coroa curta ou dentes parcialmente erupcionados.

Após essa etapa, o lençol de borracha deve ser marcado com um ponto feito com caneta permanente para demarcar a região equivalente ao dente a ser isolado.

Faz-se o uso do perfurador de Ainsworth  e a pinça Palmer será utilizada para levar o grampo ao elemento dentário. O grampo pode ser levado conjuntamente ao lençol ou dique de borracha, que deve estar condicionado com o arco mantenedor (como o do tipo Ostby, dobrável ou não; pois o de Young possui pontas que podem causar acidentes).

Há a possibilidade de instalar o grampo previamente ao dente para depois inserir o arco, porém, como devemos ter agilidade no procedimento odontopediátrico, levar todo o conjunto ao elemento dentário traz otimização de atendimento. Cabe ao profissional decidir qual material utilizar, de acordo com a sua destreza.

Aconselha-se lubrificar o orifício feito pelo perfurador com pomada anestésica ou lubrificante à base de água para evitar que o furo rasgue e o lençol deslize no sentido ocluso-cervical com facilidade. Após a acomodação de todo o conjunto, com o auxílio de uma espátula número 1, finalizamos o posicionamento do lençol para baixo do grampo.

Em casos de ausência de vedamento total da porção cervical, a aplicação de material curativo, como “Cavit”, “Coltosol” ou “restaurador provisório“, sobre a prega do dique onde a adaptação da borracha é imperfeita, pode ser útil.

Assim como o adesivo à base de cianoacrilato que pode melhorar a estabilização do lençol. Pois, ele é o único adesivo biocompatível que polimeriza com a presença de íons hidroxila (abundante no meio bucal) e adere ao tecido úmido sem a ajuda de catalizador. No Brasil, esse material é encontrado com o nome de “Super Bonder”.

Três dicas para o isolamento absoluto

Para evitar acidentes de fraturas de grampo, passar previamente um fio dental comprimido bilateralmente pelos orifícios onde a pinça Palmer se aprisiona, é de suma importância. Ao aprisionar o fio dental pela alça do grampo, não é garantia de segurança de quando ele bipartir após tensões à longo prazo.

Outra dica são grampos feitos com materiais não metálicos (Indusbello), que não causam problemas de sobreposição do grampo na realização da imagem radiográfica, além de serem descartáveis e evitar o risco de fratura do mesmo por uso excessivo.

Quanto à escolha dos lençóis de borracha, há diversas espessuras. Outras sem látex para os pacientes alérgicos e outros com furações pré marcadas.

Ganho em tempo de trabalho, segurança e conforto do paciente é o que mais precisamos nos atendimentos odontopediátricos, não é mesmo?

>>> Confira mais artigos sobre Odontopediatria no blog. 

Comentários

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *