Dicas

Saiba tudo sobre a técnica exponencial de fotopolimerização

Saiba tudo sobre a técnica exponencial de fotopolimerização
Compartilhar | Comentar

Apesar da Odontologia ter avançado muito nas últimas décadas, ainda existem problemas em processos de restaurações com resinas compostas. Mesmo observando todos os protocolos clínicos, alguns comportamentos mecânicos durante e após a fotopolimerização são insatisfatórios. Em especial, a elevada contração de polimerização, a qual pode ocasionar infiltrações bacterianas com o decorrer do tempo. E, por consequência, levando a destruição dental e consequente perda da restauração.

Fenda existente entre o material restaurador e o dente causada pela contração de polimerização da resina composta

É possível controlar a intensidade luminosa para cada tipo de resina?

Diante disso, um grupo de pesquisadores da Faculdade de Medicina e do Instituto de Biociências da UNESP de Botucatu, observaram que os aparelhos fotopolimerizadores do mercado apresentam uma intensidade de luz constante. Com isso, sendo uma luz pré-determinada pelo fabricante do equipamento, a qual não permite adequação pelo profissional para atender às especificações de polimerização que constam na bula do material escolhido.

Com o objetivo de minimizar essa contração, pesquisadores desenvolveram e patentearam um fotopolimerizador no qual o profissional pode selecionar a intensidade correta de luz para cada tipo de resina. Além disso, determinaram uma função ótima de polimerização, chamada de Técnica Exponencial. Portanto, essa Técnica foi comparada com outras tradicionais técnicas: convencional, pulse-delay e soft-start. Considerando diferentes níveis de energia de ativação.

Como utilizar as vantagens da técnica exponencial?

Já patenteado pelo grupo de pesquisa, através do uso de um software específico, o profissional poderá selecionar em um banco de dados pré-existente qual tipo de resina composta irá utilizar no paciente. Como resultado, essas informações serão automaticamente transmitidas via wireless para um fotopolimerizador específico. Diante disso, a intensidade luminosa e o tempo necessário para completa polimerização do material será estabelecida.

Como resultado, o profissional terá um melhor desempenho de fotopolimerização de acordo com cada tipo e marca de resina. Além disso, estará conforme as indicações do fabricante, minimizando a contração da polimerização e outros problemas ocasionados pela falta de uma correta polimerização.

Quais as vantagens da Técnica Exponencial de Polimerização?

A Técnica Exponencial apresentou resultados promissores para sua aplicação em consultórios odontológicos, pois demonstrou grande potencial para diminuição da contração de polimerização (45%), além de diminuição significativa da variação da temperatura na resina, aumento da dureza do material e consequente melhora na qualidade da restauração quando comparado aos demais métodos de fotoativação.

E qual o resultado na prática?

Confira abaixo as imagens de microscopia eletrônica de varredura onde há uma comparação de uma restauração utilizando a técnica convencional e a técnica exponencial de polimerização.

Nas imagens é possível notar que a união da interface entre dente e material restaurador é melhor visualizada na técnica exponencial de fotopolimerização. Com isso, é possível concluir que essa técnica é muito mais efetiva para os procedimentos que envolvam fotopolimerização.

Autor:

Edilmar Marcelino 

Doutorado em Biotecnologia
Mestre em Pesquisa e Desenvolvimento – Biotecnologia Médica
Mestre em Saúde Coletiva
Especialista em Disfunção Crânio Mandibular
Especialista em Implantodontia
Especialista em Endodontia
Especialista em Odontologia do Trabalho
Especialista em Reabilitação Oral
Graduado em Odontologia, Filosofia, Ciências e Pedagogia.

 

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.