O uso do ultrassom na periodontia

O Periodontista está sempre em busca de ferramentas que agilizem e facilitem seu trabalho, muitas vezes árduo, de raspagem e remoção de cálculo. As curetas periodontais são indispensáveis e sempre presentes em meus kits de atendimento. O ultrassom é mais uma ferramenta que lanço mão para poder otimizar meu trabalho.

Eu costumo explicar aos pacientes que o ultrassom é como se fosse um “pente grosso” que passamos em todos os dentes como início da raspagem periodontal. Ele vai ser muito útil para tirar todo aquele excesso de cálculo supra-gengival em todas as regiões para depois podermos entrar com o uso das curetas na remoção do tártaro subgengival. A possibilidade de fazermos essa tartarectomia com maior agilidade, já na primeira consulta, vai trazer grandes benefícios e evitar infecção de sítios ainda não infectados.

>>> Leia também: raspagem periodontal em detalhes <<< 

O mercado nos apresenta uma gama de marcas e tipos diferentes de aparelhos de ultrassom para este fim. Desde aqueles que conectam diretamente no engate da cadeira, na saída que engatamos nossas canetas de alta rotação, até os que conectamos em saídas específicas para ultrassom e os aparelhos que são separados do equipo e podem vir com ou sem o jato de bicarbonato.

O que devemos levar em conta na hora de comprar um aparelho de ultrassom para Periodontia?

Tudo vai depender de quanto você está disposto a gastar e o quanto você vai fazer uso desse aparelho. Dê preferência àqueles que podem te dar fácil acesso a manutenção, que tenham variedades de pontas, que seja possível mexer na velocidade de vibração e na quantidade de água do spray. Muitas vezes temos que ajustar a velocidade levando em consideração a sensibilidade de cada paciente ou pela grande quantidade de cálculo, que pode ser removido em maior velocidade com paciente anestesiado, dependendo da sua abordagem.

A variedade e a delicadeza das pontas também é um ponto a se analisar. A gente sabe que o ultrassom ajuda muito na raspagem supra, entretanto, as pontas mais finas e com hastes um pouco mais longas alcançam regiões subgengivais também.

Eu, particularmente, não gosto de pontas quadradas e grandes que não entram nas regiões interdentais. Procure por pontas afiladas de diferentes tamanhos e angulações. Preste atenção no tempo de uso das pontas e na quantidade que serão compradas, pensando na demanda da sua clínica já que elas devem ser esterilizadas após cada utilização. Assim, após o uso do ultrassom, sempre entro com as curetas periodontais para término da raspagem e alisamento radicular.

Um outro ponto que devemos entender quando decidimos comprar um equipamento desses é que precisamos ler o seu manual e seguir as recomendações do fabricante à risca. Parece algo meio óbvio de se escrever, porém, como frequento vários consultórios diferentes, vejo que alguns ultrassons dão muita manutenção ou estão com mangueiras entupidas ou quebrados. Muitas vezes por mau uso ou inexistência de manutenção preventiva.

Enfim, o ultrassom vai te fazer ganhar tempo nas consultas periodontais, mas não vai te eximir de utilizar as curetas para o “pente fino” e alisamento dos dentes e das raízes no tratamento periodontal.

Ultrassom SW Surgery II - Schuster

O ultrassom vem como mais uma ferramenta que também funciona como marketing, porque os pacientes percebem que o dentista está equipado com vários recursos para poder dar mais eficácia e conforto aos atendimentos.

Um Abraço,

Luiz Rodolfo

Comentários

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *