Dentística e Estética

Bulk Fill: conheça as resinas de preenchimento único

Bulk Fill: conheça as resinas de preenchimento único
Compartilhar | Comentar

  As resinas do tipo Bulk Fill vêm se destacando no mercado odontológico como uma ótima opção para restaurações em dentes posteriores. Estes representam um cenário de complexidade variável quando os clínicos estão realizando uma restauração direta. Em suma, quando surge um novo material no mercado, devemos entender e verificar suas possíveis vantagens. Para isso, deve-se comparar com o material já utilizado como referência que, nesse caso, para restaurações diretas, são as resinas compostas convencionais.

Principais características da Bulk Fill

  O termo Bulk Fill se dá pelo fato do seu preenchimento ser em massa ou único, sendo essa maior diferença entre a resina Bulk Fill e a convencional. Sua indicação é para cavidades Classe I de 4mm de profundidade e 5mm em Classe II. Entretanto, a técnica incremental não é mais necessária tornando, por consequência, a restauradora menos operador-dependente.

Algumas modificações estruturais foram feitas nessas resinas, possibilitando serem utilizadas em incremento único, tais como:

  • Uso de monômeros específicos e flexíveis;
  • Inclusão de moduladores de ativação, possibilitando uma reação de presa mais lenta e consequentemente com menor tensão de contração;
  • Acréscimos de fotoiniciadores alternativos capazes de auxiliar a polimerização para grandes incrementos, onde cada empresa do ramo possui seu fotoiniciador;
  • Aumento no grau de translucidez também ajuda a promover a fotoativação deste incremento por inteiro, devido a melhora da transição da luz pelo corpo do material.

Aplicação das resinas Bulk Fill no consultório

  Em relação a estética, as resinas Bulk Fill já estão bem assistidas com diversas possibilidades de cores. Dessa maneira, podem ser utilizadas sem qualquer prejuízo a estética da restauração final. Mesmo sendo empregada em incremento único, é possível lançar mão de artifícios auxiliares durante o processo de estratificação, como a utilização de corantes e pigmentos para mimetizar a estrutura dental perdida.Vale ressaltar que essa etapa de estratificação deve ser feita antes da fotoativação. Além da estética, as resinas Bulk Fill, se mostram como uma grande possibilidade de ganho de tempo clínico.

  Com a utilização das resinas do tipo Bulk Fill, as consequências do estresse da contração de polimerização seriam controlados e amenizados, diminuindo assim, a sensibilidade pós-operatória, infiltrações marginais, trincas de esmalte, possíveis deflexões de cúspides e o aparecimento de cáries secundárias. As desvantagens da utilização das resinas Bulk Fill são: maior translucidez quando comparadas as resinas compostas convencionais e normalmente possui indicação para restaurações de dentes posteriores.

Caso clínico

#DICAEXTRA

Por fim, existem técnicas restauradoras para a utilização em cavidades maiores e mais profundas, como a associação de resinas do tipo Bulk Fill Flow, com a cobertura de resinas convencionais. Mais técnicas restauradoras e dicas, ficam para uma próxima postagem! Então, para extrairmos ao máximo todas as vantagens deste material, sua indicação deve ser precisa, como tudo na odontologia.

Fiquem atentos aos próximos artigos!

Referências:

1. Chi H. A posterior composite case utilizing the incremental and stratified layering technique. Operative Dentistry. 2006;31(4):512–516. doi: 10.2341/05-117. [PubMed] [CrossRef] [Google Scholar]
2. Schneider L., Cavalcante L., Silikas N. Shrinkage stresses generated during resin-composite applications: a review. Journal of Dental Biomechanics. 2010;1(1):131630–163630. doi: 10.4061/2010/131630. [PMC free article] [PubMed] [CrossRef] [Google Scholar]
3. Klaff D. Blending incremental and stratified layering techniques to produce an esthetic posterior composite resin restoration with a predictable prognosis. Journal of Esthetic and Restorative Dentistry. 2001;13(2):101–113. doi: 10.1111/j.1708-8240.2001.tb00432.x. [PubMed] [CrossRef] [Google Scholar]
4. Lee S. Y., Park S. H. Correlation between the amount of linear polymerization shrinkage and cuspal deflection. Operative Dentistry. 2006;31(3):364–370. doi: 10.2341/05-46. [PubMed] [CrossRef] [Google Scholar]
5. Bouillaguet S., Gamba J., Forchelet J., Krejci I., Wataha J. Dynamics of composite polymerization mediates the development of cuspal strain. Dental Materials. 2006;22(10):896–902. doi: 10.1016/j.dental.2005.11.017. [PubMed] [CrossRef] [Google Scholar]
6. Jafarpour S., El-Badrawy W., Jazi H., McComb D. Effect of composite insertion technique on cuspal deflection using an in vitro simulation model. Operative Dentistry. 2012;37(3):299–305. doi: 10.2341/11-086-l. [PubMed] [CrossRef] [Google Scholar]
7. Briso A. L., Mestrener S. R., Delício G., et al. Clinical assessment of postoperative sensitivity in posterior composite restorations. Operative Dentistry. 2007;32(5):421–426. doi: 10.2341/06-141.
[PubMed] [CrossRef] [Google Scholar]
8. Priyalakshmi S., Ranjan M. A review on marginal deterioration of composite restoration. Journal of Dental and Medical Sciences. 2014;13(1):6–9. doi: 10.9790/0853-13140609. [CrossRef] [Google Scholar]
9. Krämer N., Reinelt C., Frankenberger R. Ten-year clinical performance of posterior resin composite restorations. Journal of Adhesive Dentistry. 2015;17(5):433–441. doi: 10.3290/j.jad.a35010.
[PubMed] [CrossRef] [Google Scholar]
10. Opdam N. J. M., Bronkhorst E. M., Loomans B. A. C., Huysmans M.-C. D. N. J. M. 12-year survival of composite vs. amalgam restorations. Journal of Dental Research. 2010;89(10):1063–1067. doi: 10.1177/0022034510376071. [PubMed] [CrossRef] [Google Scholar]
11. Alonso de la Peña V., Iria A., Caserío M. Retrospective evaluation of posterior composite resin sandwich restorations with Herculite XRV: 18-year findings. Quintessence International.
2017;48(2):93–101. doi: 10.3290/j.qi.a37386. [PubMed] [CrossRef][Google Scholar]
12. Borgia R., Baron R., Borgia J. Quality and survival of direct light- activated composite resin restorations in posterior teeth: a 5- to 20- year retrospective longitudinal study. Journal of Prosthodontics. 2017;(Epub ahead of print) doi: 10.1111/jopr.12630. [PubMed] [CrossRef] [Google Scholar]
13. Chesterman J., Jowett A., Gallacher A., Nixon P. Bulk-fill resin- based composite restorative materials: a review. British Dental Journal. 2017;222(5):337–344. doi: 10.1038/sj.bdj.2017.214.
[PubMed] [CrossRef] [Google Scholar]
14. Ilie N., Hickel R. Investigations on a methacrylate-based flowable composite based on the SDR™ technology. Dental Materials. 2011;27(4):348–355. doi: 10.1016/j.dental.2010.11.014. [PubMed] [CrossRef] [Google Scholar]

Rafael Amado
Graduado pela Faculdade de Odontologia de Campos/RJ | Especialização e Mestrado em Dentística – SLMandic /SP
Professor e Palestrante
Instagram: @dr.rafa_amado

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.