Dentística e Estética

Restaurações Classe V: antes de restaurar, avalie!

Restaurações Classe V: antes de restaurar, avalie!
Compartilhar | Comentar

Hoje irei falar sobre as Lesões Cervicais Não Cariosas e como podemos obter melhores resultados nesse tipo de tratamento. Nós, clínicos, temos percebido que esse tipo de lesão está com alta prevalência em nossos consultórios, estão sendo afetados desde crianças, jovens, adultos e idosos de ambos os sexos.

Essas lesões próximas à junção cemento-esmalte com exposição de dentina que, em muitos casos, também desenvolvem sensibilidade e dor, estão associadas a uma etiologia ampla e multifatorial.

Aqui vão algumas dicas preciosas antes de restaurar uma Classe V:

  • Identifique as causas;
  • Planeje as condutas adequadas para cada caso;
  • Oriente o paciente.

O tratamento consiste na eliminação dos fatores causais e posteriormente a realização do procedimento restaurador direto ou indireto do tecido dental perdido, ou seja, neste caso a ordem dos fatores ALTERA os resultados!

Atente-se: Controlar os sintomas NÃO é tratar.

Identificando as causas:

 Consumo de bebidas e comidas ácidas;

– Bulimia;

– Refluxo gastroesofágico;

– Anorexia;

– Xerostomia – investigar possíveis doenças e medicações que o paciente esteja usando;

– Alcoolismo;

– Sobrecarga oclusal;

– Parafunções;

– Tipo de escova dental utilizada;

– Técnica de escovação aplicada e a sua frequência;

– Tipo de creme dental utilizado;

Então, como devo restaurar?

Realize um excelente controle da umidade, utilize fio retrator. Ele garantirá um melhor acesso à região cervical e irá auxiliar no controle da umidade, impedindo a passagem do fluído crevicular.

Prefira o condicionamento seletivo de esmalte, ou seja, nesses casos o ácido fosfórico é utilizado exclusivamente no esmalte dentário.

Mas atenção: só é indicado com o uso concomitante de adesivos autocondicionantes, pois também promove selamento dentinário. Após o condicionamento ácido em esmalte por 30 segundos, lave bem a cavidade, seque e aplique por exemplo, uma gota do Adesivo Universal da 3M, friccionando por 20 segundos em dentina e depois levando ao esmalte, um jato de ar para evaporação do solvente e fotoativação.

#DICADADENTISTA: prefira ácido com bom tixotropismo, ou seja, um ácido que sustenta seu próprio peso e não escorra para dentina.

Escolha uma resina adequada e use pequenas porções, cuidando para não deixar excessos. Usamos nessa região uma maior quantidade de resinas de dentina, com excelente polimento, por exemplo, A2B ou A3B da Z350 da 3M são boas opções e depois uma fina camada de esmalte.

Após a fotoativação final, use uma lâmina de bisturi ou um removedor de excessos cervicais. Tenha certeza que o acabamento ficou perfeito. Use discos ou pontas siliconadas para polir muito bem essa restauração.

Portanto, seja um dentista, que sabe observar e diagnosticar problemas que vão além de apenas uma restauração, caso contrário, o tratamento restaurador terá grande chance de fracassar a curto prazo.

Um grande abraço e até a próxima dica!

Gostou do artigo e quer receber mais conteúdo como esse na sua caixa de entrada? Coloque seu email aqui embaixo que do resto a gente cuida.