Saiba como funciona o fluxo digital para os laboratórios

Contemporaneamente muito se fala sobre o Digital. Mas afinal, como isso funciona? Como é a aplicação do digital no dia a dia do laboratório e por que eu deveria mudar um processo analógico que já sabemos que funciona para algo novo e computadorizado? No texto a seguir explicamos um pouco sobre esse mundo cheio de possibilidades. Vem conosco!

O fluxo digital se inicia na cadeira do dentista. A arcada do paciente pode ser copiada com o scanner intraoral e um arquivo 3D será gerado e enviado diretamente para o laboratório via internet, sem necessidade de transporte por motoboy como é normalmente feito em casos de moldes físicos. No laboratório é possível fazer a análise do caso, planejamento e produção em um sistema CAD/CAM, com fresadoras ou impressoras 3D, dependendo do caso.

Ok, mas se o meu dentista não tiver um Scanner intraoral e eu decidir comprar um sistema CAD/CAM, vou perder meu cliente? Não!

Para dentistas que ainda não têm scanner intraoral, o processo é um pouquinho diferente: A arcada do paciente é moldada de forma convencional com material de moldagem, o transporte é feito de maneira convencional – normalmente via motoboy -, e ao chegar no laboratório o modelo é vazado normalmente e então aqui começa a mágica do digital: a arcada é escaneada no laboratório com um scanner de bancada e então é feita a análise do caso, o planejamento e a produção em um sistema CAD/CAM ou com impressoras 3D, dependendo do caso.

O que são os softwares CAD CAM do fluxo digital?

CAD é a sigla para Computer Aided Design (Desenho assistido por computador) e são os softwares CAD que tornam possível o planejamento de diversos tipos de restaurações como: coroa, faceta, inlay, onlay, estruturas, fixas anatômicas, protocolos sobre dente ou sobre implante, placa miorrelaxante, alinhadores ortodônticos, etc. O laboratório pode personalizar o software CAD conforme sua necessidade incluindo módulos que permitam realizar o tipo de trabalho desejado.

>>>Leia também: Dicas de como confeccionar placa de prova sobre implante

CAM é a sigla para Computer Aided Manufacturing (Manufatura auxiliada por computador) e é a próxima etapa do nosso fluxo. É no CAM onde o laboratório/consultório produzirá a prótese, essa produção pode ser feita em uma impressora 3D ou em uma fresadora.

Fresagem ou impressão 3D 

Depois que o planejamento digital é finalizado, coloca-se o material escolhido na fresadora para iniciar a confecção da peça para restauração ou o guia para cirurgia.
Também é possível utilizar uma impressora 3D, que cria a restauração, guia ou os modelos ortodônticos por meio de micro camadas de resinas de polímero.

Os dois equipamentos recebem comandos do software para produzir os projetos com eficiência e agilidade. 

Tecnologia na produção de próteses 

Toda essa revolução tecnológica possibilita que as próteses sejam produzidas a partir de um escaneamento intra-oral, eliminando a necessidade de moldagens e garantindo resultados excelentes. 

Captura das informações  

Através de câmeras, scanners intraorais, scanners de bancada ou de tomografias computadorizadas, é possível realizar a moldagem virtual do paciente. Tudo isso de maneira prática, rápida e indolor. 

Planejamento em software no fluxo digital

Com as informações capturadas, é possível planejar as estruturas necessárias para o tratamento do paciente. Este processo é realizado em um software de computador, que irá desenvolver e projetar as estruturas, através de ferramentas digitais.  

Uma grande variedade de materiais e serviços podem ser planejados e executados através destes softwares, desde restaurações até tratamentos cirúrgicos. 

Para definir a melhor forma de produção é necessário identificar qual o material apropriado para cada tipo de prótese e qual a capacidade de cada equipamento.

Se o dentista optar em fazer a moldagem, existem alguns equipamentos que podem otimizar a confecção do gesso como: dosador de gesso, espatulador a vácuo e posicionadores de troquel (pin drill); esses equipamentos também otimizam o fluxo do laboratório no modo clássico economizando tempo e material.

Por fim, após a produção no CAM cada tipo de material terá um tratamento diferente, acabamento, sinterização, cristalização, etc.  E após isso podemos ou não ter a etapa da maquiagem, também avaliada a necessidade caso a caso, pois hoje já temos no mercado materiais que são multicamadas e que se aproximam muito à cor natural dos dentes.

É também importante mencionar que o Digital chegou para ajudar o protético e não o substituir. Sempre será necessária uma pessoa para operar todos os equipamentos, manejar os materiais, avaliar, dar acabamento e tudo o mais que os trabalhos precisem.

Que tal conhecer um pouco do nosso portfólio de produtos digitais? Temos uma equipe técnica especializada para dar todo o suporte necessário no seu período de aprendizagem. Vem conosco! O futuro é agora!

Esse conteúdo foi desenvolvido em parceria com nosso time técnico! 

✍️ Deixe seu comentário!

📢 Compartilhe com seus colegas de profissão!  

🕵 Siga nossas redes sociais

💻 Facebook

📸 Instagram

▶️ Youtube

🎧 Ouça nosso Podcast

Comentários

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *